O seu navegador (Generic Browser 0) está desatualizado. Melhore sua experiência em nosso site!
Atualize Agora

Faltam 3 dias

⚠️ Atenção: Reserve sua vaga na Black November e não perca o maior desconto!

GARANTIR DESCONTO

Tendências: busca por concurso público cresce durante a pandemia

Os concursos públicos estão cada vez mais concorridos. E a disputa se torna ainda maior em momentos de crise econômica, como a que o país atravessa em 2020 devido à pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Com o aumento do desemprego, cidadãos que não tinham a carreira de servidor público nos seus planos se juntaram àqueles que já sonham em conseguir uma vaga no serviço público muito antes do novo cenário.

Dados do Qconcursos apontam um aumento gradual de novos estudantes com foco em concursos públicos desde o mês de julho, quando a taxa de desocupação atingiu 14,3%, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD COVID (IBGE)*. Dentre esses novos usuários, há não só quem já está nessa jornada há algum tempo, mas também quem já é servidor público e quem está entrando no mundo dos concursos.

Tendências: pandemia muda o comportamento dos concurseiros

Perfis diferentes, trajetórias diferentes

Estudar para concursos não é uma tarefa fácil, especialmente para os concurseiros de primeira viagem. Dessa forma, é coerente que os novatos comecem de maneira lenta, conhecendo o território para depois dominá-lo.

Dica: como começar a estudar para concurso

A experiência tem grande influência na resolução de questões, como pode ser observado no gráfico abaixo. Nota-se uma ampla diferença na média daqueles que estão no início dos estudos em relação a quem já conquistou uma aprovação.

Vale destacar ainda uma alteração entre os perfis intermediários. Embora já estejam nessa estrada há mais tempo, os concurseiros mais veteranos tendem a ter uma média de resoluções menor do que os usuários que estudam há menos tempo. Essa marca é um reflexo da falta de motivação que atinge alguns estudantes que estão nessa empreitada há muitos anos, afetados seja pelo cansaço, seja pela frustração derivada de reprovações.

No entanto, esse panorama muda quando a análise é feita entre os concurseiros que investem nos estudos. Neste caso, a média de resolução de questões por usuário aumenta junto com a experiência, como identificado no gráfico abaixo.

O quadro acima revela, ainda, uma tendência de estabilidade na média de resolução de questões a partir dos estudantes que já iniciaram a trajetória.

Experiência e escolaridade

Os concursos que exigem ensino médio completo são os mais concorridos, já que candidatos que têm ensino superior também podem concorrer a uma vaga de nível médio de escolaridade. Além disso, há um mito entre os concurseiros de que as seleções de cargos que exigem nível médio são mais fáceis do que os de nível superior.

“As questões de nível superior exigem uma complexidade maior do que as de nível médio, mas isso não quer dizer que o concurso de nível médio é mais fácil. Primeiro porque é mais concorrido e segundo porque o estudo para uma prova de ensino médio exige um conhecimento muito amplo e muito detalhado das matérias que caem nas questões”, explica o diretor acadêmico do Qconcursos Fernando Bentes.

Mesmo sendo o mais buscado e concorrido, o nível médio não é prioridade entre os concurseiros na hora de colocar a teoria na prática, como mostra o gráfico a seguir.

Os números de resoluções de questões de concursos apontam que os alunos, experientes ou não, inclinam-se a estudar mais conteúdos de nível superior, especialmente os já servidores, que estão em busca de novos desafios. Muitas pessoas começam a estudar para concursos de nível médio, mas, após passarem em uma seleção e serem convocados, voltam aos estudos para conquistar um cargo mais alto.

Experiência e desempenho

A edição de setembro do Tendências mostrou a relação entre desempenho e tempo dedicado aos estudos. Um dos pontos levantados foi a comprovação de que a prática contínua é importante para a evolução do aluno, não importa a experiência de quem está estudando.

De acordo com os dados de resoluções de questões, quanto mais experiente o aluno é, maior é a tendência em acertá-las. Enquanto os mais novos têm taxa de acerto na faixa de 60%, os mais tarimbados acertam acima de 70%.

Normalmente, quem investe nos estudos está mais certo sobre a escolha de seguir uma carreira no serviço público. Dessa forma, não surpreende a maior taxa de acerto deste concurseiro. No caso dos alunos do Qconcursos, a quantidade de acertos aumenta em todos os perfis, sobretudo aqueles que estudam há mais tempo.

Reflexos geográficos

Não há como analisar os perfis de quem está optando por novos rumos nos últimos meses sem explorar a situação dos brasileiros nas diferentes regiões do país. Um levantamento do Ministério da Economia (ME)** de setembro de 2020 mostrou que os estados com maior número de pedidos de seguro-desemprego em 2020 são São Paulo (140.854), Minas Gerais (51.541) e Rio de Janeiro (36.430).

Esse contexto econômico explica o perfil geográfico dos novos estudantes. De acordo com a plataforma do Qconcursos, os moradores da região Sudeste foram os que mais buscaram concursos públicos no terceiro trimestre de 2020, incluindo aqueles que estão começando a estudar agora.

Novo, experiente ou já servidor, todos eles, de Norte a Sul, estão buscando a carreira de servidor público para contornar os tempos difíceis, seja reforçando os estudos, seja  respondendo a primeira questão.

Reportagem produzida com a colaboração de Pedro Lemos.


*IBGE: Desemprego na pandemia atinge maior patamar da série na 4ª semana de agosto

**Estatísticas de seguro-desemprego - setembro de 2020



Quer ficar por dentro das principais notícias que rolam no mundo dos concursos? Acompanhe o nosso canal no Telegram e fique por dentro de tudo!

Cadastre-se e faça parte da maior comunidade de ensino on-line do Brasil.


Faça login ou cadastre-se para comentar.