O seu navegador (Generic Browser 0) está desatualizado. Melhore sua experiência em nosso site!
Atualize Agora

Questões FUNDEP (Gestão de Concursos) - 2016 - CBM-MG - Soldado do Corpo de Bombeiro

Foram encontradas 50 questões

Q624594 Português
TEXTO 1
Bebida na adolescência

Pesquisas recentes constatam que o álcool é a droga mais usada por adolescentes. O pior é que o consumo
vem aumentando, principalmente entre os mais novos e as meninas: quase metade dos jovens de 12 a 17
anos já usou bebida alcoólica. Nos anos 1980, o consumo iniciava-se entre os 16 e 17 anos. Atualmente,
ocorre entre os 12, 14 anos, e o uso frequente tem crescido. Por que os jovens têm bebido cada vez mais e
mais cedo? Vamos levantar hipóteses e refletir a respeito a fim de nos responsabilizarmos pela questão.
Em primeiro lugar, a presença de bebidas alcoólicas na vida cotidiana dos jovens é vista por eles como
corriqueira e inofensiva. Muitos acham que o problema surge apenas com a ingestão em demasia, quando
se tornam inconvenientes ou se aproximam do que eles chamam de “PT” (perda total) – perda dos sentidos
ou coma.
Contribuem muito para essa percepção os belos comerciais de bebidas. Mais do que um produto, vendem
um estilo de vida almejado pelos jovens: beleza, alegria, popularidade, azaração etc. Aliado a esse poderoso
instrumento, surge outro muito eficaz: o aval dos pais.
Muitos adultos acreditam que oferecer bebida aos filhos em casa é uma atitude aconselhável e dão festas
para os menores nas quais permitem que haja bebida, por exemplo.
Aliás, para muitos jovens, faz parte das festas o ritual do “esquenta”: antes do evento, reúnem-se em pequenos
grupos para beber na casa de um deles – sei de casos, inclusive, em que os pais que recebem os amigos
do filho participam do momento festivo introdutório – ou em locais públicos, com bebidas trazidas de casa ou
compradas em supermercados.
Aí está outro fator que leva os jovens a crerem que a ingestão de bebida alcoólica é inofensiva: apesar de
sua venda ser proibida a menores de 18 anos, a lei não é respeitada. Muitos estabelecimentos comerciais
– notadamente supermercados – as vendem sem pedir documentos aos jovens e muitos adultos aceitam
o pedido deles para passar a bebida em sua compra. Eu já fui abordada em um supermercado por três
adolescentes que pediram que eu colocasse duas garrafas de vodca em minha esteira. Diante da recusa,
pediram para outra pessoa e foram atendidos.
Os jovens bebem, entre outros motivos, porque o álcool provoca euforia, desinibição e destrava os mais
tímidos. Mas, depois, afeta a coordenação motora, os reflexos e o sono, além de interferir na percepção do
que o jovem considera certo e errado. Já conversei com garotas que tiveram a primeira experiência sexual
sob efeito do álcool e se arrependeram.
Os mesmos pais que ensinam o filho a beber não o ensinam sobre os cuidados que podem reduzir seus
efeitos, como alimentar-se bem antes, não misturar diferentes tipos de bebida e ingerir muita água. Os
menores de 18 anos sempre encontrarão maneiras de transgredir as proibições para o uso de bebida
alcoólica. Entretanto, temos ajudado para que isso não seja visto por eles como transgressão. E, talvez,
esse seja nosso maior equívoco.

SAYÃO, Rosely. Bebida na adolescência. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/eq2602200914.
htm>. Acesso em: 12 fev.2016. (Fragmento).

De acordo com o texto, o jovem ingere bebida alcóolica com a finalidade de

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q624595 Português
TEXTO 1
Bebida na adolescência

Pesquisas recentes constatam que o álcool é a droga mais usada por adolescentes. O pior é que o consumo
vem aumentando, principalmente entre os mais novos e as meninas: quase metade dos jovens de 12 a 17
anos já usou bebida alcoólica. Nos anos 1980, o consumo iniciava-se entre os 16 e 17 anos. Atualmente,
ocorre entre os 12, 14 anos, e o uso frequente tem crescido. Por que os jovens têm bebido cada vez mais e
mais cedo? Vamos levantar hipóteses e refletir a respeito a fim de nos responsabilizarmos pela questão.
Em primeiro lugar, a presença de bebidas alcoólicas na vida cotidiana dos jovens é vista por eles como
corriqueira e inofensiva. Muitos acham que o problema surge apenas com a ingestão em demasia, quando
se tornam inconvenientes ou se aproximam do que eles chamam de “PT” (perda total) – perda dos sentidos
ou coma.
Contribuem muito para essa percepção os belos comerciais de bebidas. Mais do que um produto, vendem
um estilo de vida almejado pelos jovens: beleza, alegria, popularidade, azaração etc. Aliado a esse poderoso
instrumento, surge outro muito eficaz: o aval dos pais.
Muitos adultos acreditam que oferecer bebida aos filhos em casa é uma atitude aconselhável e dão festas
para os menores nas quais permitem que haja bebida, por exemplo.
Aliás, para muitos jovens, faz parte das festas o ritual do “esquenta”: antes do evento, reúnem-se em pequenos
grupos para beber na casa de um deles – sei de casos, inclusive, em que os pais que recebem os amigos
do filho participam do momento festivo introdutório – ou em locais públicos, com bebidas trazidas de casa ou
compradas em supermercados.
Aí está outro fator que leva os jovens a crerem que a ingestão de bebida alcoólica é inofensiva: apesar de
sua venda ser proibida a menores de 18 anos, a lei não é respeitada. Muitos estabelecimentos comerciais
– notadamente supermercados – as vendem sem pedir documentos aos jovens e muitos adultos aceitam
o pedido deles para passar a bebida em sua compra. Eu já fui abordada em um supermercado por três
adolescentes que pediram que eu colocasse duas garrafas de vodca em minha esteira. Diante da recusa,
pediram para outra pessoa e foram atendidos.
Os jovens bebem, entre outros motivos, porque o álcool provoca euforia, desinibição e destrava os mais
tímidos. Mas, depois, afeta a coordenação motora, os reflexos e o sono, além de interferir na percepção do
que o jovem considera certo e errado. Já conversei com garotas que tiveram a primeira experiência sexual
sob efeito do álcool e se arrependeram.
Os mesmos pais que ensinam o filho a beber não o ensinam sobre os cuidados que podem reduzir seus
efeitos, como alimentar-se bem antes, não misturar diferentes tipos de bebida e ingerir muita água. Os
menores de 18 anos sempre encontrarão maneiras de transgredir as proibições para o uso de bebida
alcoólica. Entretanto, temos ajudado para que isso não seja visto por eles como transgressão. E, talvez,
esse seja nosso maior equívoco.

SAYÃO, Rosely. Bebida na adolescência. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/eq2602200914.
htm>. Acesso em: 12 fev.2016. (Fragmento).

De acordo com o texto, são causas que conduzem os jovens a considerarem a presença de álcool em suas vidas como algo trivial e inócuo:


I. a crença de que é aconselhável permitir a ingestão de álcool apenas em festas.


II. o apoio dos pais que oferecem bebida alcóolica aos filhos dentro de suas casas.


III. o respeito à lei que proíbe a venda de bebidas alcoólicas a menores de 18 anos.


IV. os anúncios de bebidas alcoólicas associadas a gostos e desejos da juventude.


Estão corretas as afirmativas

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q624596 Português
TEXTO 1
Bebida na adolescência

Pesquisas recentes constatam que o álcool é a droga mais usada por adolescentes. O pior é que o consumo
vem aumentando, principalmente entre os mais novos e as meninas: quase metade dos jovens de 12 a 17
anos já usou bebida alcoólica. Nos anos 1980, o consumo iniciava-se entre os 16 e 17 anos. Atualmente,
ocorre entre os 12, 14 anos, e o uso frequente tem crescido. Por que os jovens têm bebido cada vez mais e
mais cedo? Vamos levantar hipóteses e refletir a respeito a fim de nos responsabilizarmos pela questão.
Em primeiro lugar, a presença de bebidas alcoólicas na vida cotidiana dos jovens é vista por eles como
corriqueira e inofensiva. Muitos acham que o problema surge apenas com a ingestão em demasia, quando
se tornam inconvenientes ou se aproximam do que eles chamam de “PT” (perda total) – perda dos sentidos
ou coma.
Contribuem muito para essa percepção os belos comerciais de bebidas. Mais do que um produto, vendem
um estilo de vida almejado pelos jovens: beleza, alegria, popularidade, azaração etc. Aliado a esse poderoso
instrumento, surge outro muito eficaz: o aval dos pais.
Muitos adultos acreditam que oferecer bebida aos filhos em casa é uma atitude aconselhável e dão festas
para os menores nas quais permitem que haja bebida, por exemplo.
Aliás, para muitos jovens, faz parte das festas o ritual do “esquenta”: antes do evento, reúnem-se em pequenos
grupos para beber na casa de um deles – sei de casos, inclusive, em que os pais que recebem os amigos
do filho participam do momento festivo introdutório – ou em locais públicos, com bebidas trazidas de casa ou
compradas em supermercados.
Aí está outro fator que leva os jovens a crerem que a ingestão de bebida alcoólica é inofensiva: apesar de
sua venda ser proibida a menores de 18 anos, a lei não é respeitada. Muitos estabelecimentos comerciais
– notadamente supermercados – as vendem sem pedir documentos aos jovens e muitos adultos aceitam
o pedido deles para passar a bebida em sua compra. Eu já fui abordada em um supermercado por três
adolescentes que pediram que eu colocasse duas garrafas de vodca em minha esteira. Diante da recusa,
pediram para outra pessoa e foram atendidos.
Os jovens bebem, entre outros motivos, porque o álcool provoca euforia, desinibição e destrava os mais
tímidos. Mas, depois, afeta a coordenação motora, os reflexos e o sono, além de interferir na percepção do
que o jovem considera certo e errado. Já conversei com garotas que tiveram a primeira experiência sexual
sob efeito do álcool e se arrependeram.
Os mesmos pais que ensinam o filho a beber não o ensinam sobre os cuidados que podem reduzir seus
efeitos, como alimentar-se bem antes, não misturar diferentes tipos de bebida e ingerir muita água. Os
menores de 18 anos sempre encontrarão maneiras de transgredir as proibições para o uso de bebida
alcoólica. Entretanto, temos ajudado para que isso não seja visto por eles como transgressão. E, talvez,
esse seja nosso maior equívoco.

SAYÃO, Rosely. Bebida na adolescência. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/eq2602200914.
htm>. Acesso em: 12 fev.2016. (Fragmento).

Leia este fragmento do texto:


Os menores de 18 anos sempre encontrarão maneiras de transgredir as proibições para o uso de bebida alcoólica. Entretanto, temos ajudado para que isso não seja visto por eles como transgressão. E, talvez, esse seja nosso maior equívoco.


Em relação à construção desse trecho, assinale a alternativa CORRETA.

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q624597 Português

TEXTO 1

Bebida na adolescência

Pesquisas recentes constatam que o álcool é a droga mais usada por adolescentes. O pior é que o consumo vem aumentando, principalmente entre os mais novos e as meninas: quase metade dos jovens de 12 a 17 anos já usou bebida alcoólica. Nos anos 1980, o consumo iniciava-se entre os 16 e 17 anos. Atualmente, ocorre entre os 12, 14 anos, e o uso frequente tem crescido. Por que os jovens têm bebido cada vez mais e mais cedo? Vamos levantar hipóteses e refletir a respeito a fim de nos responsabilizarmos pela questão.

Em primeiro lugar, a presença de bebidas alcoólicas na vida cotidiana dos jovens é vista por eles como corriqueira e inofensiva. Muitos acham que o problema surge apenas com a ingestão em demasia, quando se tornam inconvenientes ou se aproximam do que eles chamam de “PT” (perda total) – perda dos sentidos ou coma.

Contribuem muito para essa percepção os belos comerciais de bebidas. Mais do que um produto, vendem um estilo de vida almejado pelos jovens: beleza, alegria, popularidade, azaração etc. Aliado a esse poderoso instrumento, surge outro muito eficaz: o aval dos pais.

Muitos adultos acreditam que oferecer bebida aos filhos em casa é uma atitude aconselhável e dão festas para os menores nas quais permitem que haja bebida, por exemplo.

Aliás, para muitos jovens, faz parte das festas o ritual do “esquenta”: antes do evento, reúnem-se em pequenos grupos para beber na casa de um deles – sei de casos, inclusive, em que os pais que recebem os amigos do filho participam do momento festivo introdutório – ou em locais públicos, com bebidas trazidas de casa ou compradas em supermercados.

Aí está outro fator que leva os jovens a crerem que a ingestão de bebida alcoólica é inofensiva: apesar de sua venda ser proibida a menores de 18 anos, a lei não é respeitada. Muitos estabelecimentos comerciais – notadamente supermercados – as vendem sem pedir documentos aos jovens e muitos adultos aceitam o pedido deles para passar a bebida em sua compra. Eu já fui abordada em um supermercado por três adolescentes que pediram que eu colocasse duas garrafas de vodca em minha esteira. Diante da recusa, pediram para outra pessoa e foram atendidos.

Os jovens bebem, entre outros motivos, porque o álcool provoca euforia, desinibição e destrava os mais tímidos. Mas, depois, afeta a coordenação motora, os reflexos e o sono, além de interferir na percepção do que o jovem considera certo e errado. Já conversei com garotas que tiveram a primeira experiência sexual sob efeito do álcool e se arrependeram.

Os mesmos pais que ensinam o filho a beber não o ensinam sobre os cuidados que podem reduzir seus efeitos, como alimentar-se bem antes, não misturar diferentes tipos de bebida e ingerir muita água. Os menores de 18 anos sempre encontrarão maneiras de transgredir as proibições para o uso de bebida alcoólica. Entretanto, temos ajudado para que isso não seja visto por eles como transgressão. E, talvez, esse seja nosso maior equívoco.

SAYÃO, Rosely. Bebida na adolescência. Disponível em:http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/eq2602200914. htm>. Acesso em: 12 fev.2016. (Fragmento).

TEXTO 2

O texto 2 tem relação direta com um fato a que o texto 1 – Bebida na adolescência – faz menção. Assinale a alternativa em que o trecho do texto 1 estabelece essa relação com o texto 2.

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q624598 Português

Complete as lacunas com o emprego adequado de porque, por que, porquê e / ou por quê.


I. Aquele político foi eleito _________ é honesto?

II. Creio que choveu, _________ o chão está molhado.

III. Ignoro o _________ da compra, mas valeu a pena.

IV. _________os jogadores de futebol são tão espertos?

V. O sobrevivente sofreu sem saber _________.

A sequência correta é

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Respostas
1: D
2: D
3: C
4: C
5: D