Atualizando histórico

Estamos atualizando seu histórico de questões resolvidas, por favor aguarde alguns instantes.

Menu
Cadastre-se

Questões de Concursos - Questões

ver filtro
filtros salvos
  • Você ainda não salvou nenhum filtro
    • Apenas que tenham
    • Excluir questões
    salvar
    salvar x
    limpar
    1 questão encontrada
    Ano: 2015
    Banca: FCC
    Órgão: TCM-GO
    A questão refere-se ao texto seguinte.

    Pátrio poder

    Pais que vivem em bairros violentos de São Paulo
    chegam a comprometer 20% de sua renda para manter seus
    filhos em escolas privadas. O investimento faz sentido? A
    questão, por envolver múltiplas variáveis, é complexa, mas, se
    fizermos questão de extrair uma resposta simples, ela é
    "provavelmente sim". Uma série de estudos sugere que a
    influência de pais sobre o comportamento dos filhos, ainda que
    não chegue a ser nula, é menor do que a imaginada e se dá por
    vias diferentes das esperadas. Quem primeiro levantou essa
    hipótese foi a psicóloga Judith Harris no final dos anos 90.
    Para Harris, os jovens vêm programados para ser
    socializados não pelos pais, como pregam nossas instituições e
    nossa cultura, mas pelos pares, isto é, pelas outras crianças
    com as quais convivem. Um dos muitos argumentos que ela usa
    para apoiar sua teoria é o fato de que filhos de imigrantes não
    terminam falando com a pronúncia dos genitores, mas sim com
    a dos jovens que os cercam.
    As grandes aglomerações urbanas, porém, introduziram
    um problema. Em nosso ambiente ancestral, formado por
    bandos de no máximo 200 pessoas, o "cantinho" das crianças
    era heterogêneo, reunindo meninos e meninas de várias idades.
    Hoje, com escolas que reúnem centenas de alunos, o(a)
    garoto(a) tende a socializar-se mais com coleguinhas do mesmo
    sexo, idade e interesses. O resultado é formação de nichos com
    a exacerbação de características mais marcantes. Meninas se
    tornam hiperfemininas, e meninos, hiperativos. O mau aluno
    encontra outros maus alunos, que constituirão uma subcultura
    onde rejeitar a escola é percebido como algo positivo. O mesmo
    vale para a violência e drogas. Na outra ponta, podem surgir
    meios que valorizem a leitura e a aplicação nos estudos.
    Nesse modelo, a melhor chance que os pais têm de
    influir é determinando a vizinhança em que seu filho vai viver e
    a escola que frequentará.
    (Adaptado de: SCHWARTSMAN, Hélio. Folha de São Paulo,
    7/12/2014)

    Considere as seguintes afirmações:
    I. A hipótese levantada pela psicóloga Judith Harris é a de que os estudantes migrantes são menos sensíveis às influências dos pais que às de seus professores.
    II. O fato de um mau aluno se deixar atrair pela amizade de outro mau aluno prova que as deficiências da vida familiar antecedem e determinam o mau aproveitamento escolar.
    III. Do ponto de vista do desempenho escolar, podem ser positivos ou negativos os traços de afinidade que levam os estudantes a se agruparem.

    Em relação ao texto, está correto o que se afirma APENAS em

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.