Atualizando histórico

Estamos atualizando seu histórico de questões resolvidas, por favor aguarde alguns instantes.

Menu
Cadastre-se

Questões de Concursos - Questões

ver filtro
filtros salvos
  • Você ainda não salvou nenhum filtro
    • Apenas que tenham
    • Excluir questões
    salvar
    salvar x
    limpar
    40 questões encontradas
    Ano: 2017
    Banca: CPCON
    Órgão: UEPB
    Prova: Advogado

    Texto I


                                     Eu, etiqueta

                      Em minha calça está grudado um nome

                    Que não é meu de batismo ou de cartório

                                    Um nome... estranho

                          Meu blusão traz lembrete de bebida

                          Que jamais pus na boca, nessa vida,

                       Em minha camiseta, a marca de cigarro

                           Que não fumo, até hoje não fumei.

                             Minhas meias falam de produtos

                                  Que nunca experimentei

                           Mas são comunicados a meus pés.

                               Meu tênis é proclama colorido

                               De alguma coisa não provada

                             Por este provador de longa idade.

                         Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro,

                        Minha gravata e cinto e escova e pente,

                                    Meu copo, minha xícara,

                            Minha toalha de banho e sabonete,

                                       Meu isso, meu aquilo.

                           Desde a cabeça ao bico dos sapatos,

                                           São mensagens,

                                            Letras falantes,

                                             Gritos visuais,

                            Ordens de uso, abuso, reincidências.

                                  Costume, hábito, premência,

                                           Indispensabilidade,

                       E fazem de mim homem-anúncio itinerante,

                                  Escravo da matéria anunciada.

                                        Estou, estou na moda.

                        É duro andar na moda, ainda que a moda

                                  Seja negar minha identidade,

                                Trocá-lo por mil, açambarcando

                                  Todas as marcas registradas,

                                 Todos os logotipos do mercado.

                            Com que inocência demito-me de ser

                                   Eu que antes era e me sabia

                           Tão diverso de outros, tão mim mesmo,

                                 Ser pensante sentinte e solitário

                          Com outros seres diversos e conscientes

                             De sua humana, invencível condição.

                                          Agora sou anúncio

                                       Ora vulgar ora bizarro.

                          Em língua nacional ou em qualquer língua

                                    (Qualquer, principalmente.)

                                E nisto me comprazo, tiro glória

                                         De minha anulação.

                            Não sou – vê lá – anúncio contratado.

                                  Eu é que mimosamente pago

                                    Para anunciar, para vender

                          Em bares festas praias pérgulas piscinas,

                                E bem à vista exibo esta etiqueta

                                    Global no corpo que desiste

                          De ser veste e sandália de uma essência

                                       Tão viva, independente,

                         Que moda ou suborno algum a compromete.

                                        Onde terei jogado fora

                              meu gosto e capacidade de escolher,

                              Minhas idiossincrasias tão pessoais,

                           Tão minhas que no rosto se espelhavam

                                      E cada gesto, cada olhar,

                                         Cada vinco da roupa

                                 Sou gravado de forma universal,

                                Saio da estamparia, não de casa,

                                  Da vitrine me tiram, recolocam,

                                    Objeto pulsante mas objeto

                           Que se oferece como signo de outros

                                   Objetos estáticos, tarifados.

                           Por me ostentar assim, tão orgulhoso

                            De ser não eu, mas artigo industrial,

                                Peço que meu nome retifiquem.

                           Já não me convém o título de homem.

                                     Meu nome novo é Coisa.

                                  Eu sou a Coisa, coisamente.

                                 (Carlos Drummond de Andrade)

    Texto II


    Disponível em: >https://www.google.com.br/searchbiw=1366&bih=638&tbm=isch&sa=1&q=propagandas+do+corpo&oq=

    propagandas+do+corpo&gs<. Data da consulta: 10/09/2017. 

    Julgue o que se afirma abaixo acerca dos textos I e II e, em seguida, responda ao que se pede.


    I- Ambos os textos, a partir de diferentes estratégias de manipulação midiática, de uma forma ou de outra, tratam da mesma temática: o forte e agressivo apelo ao consumo exacerbado promovido pelos diversos suportes midiáticos, que coisificam o ser humano – inclusive o seu corpo – e o transformam em mercadoria e objeto de exposição do consumo.

    II- Além de constituírem diferentes gêneros textuais – portanto, de estruturas distintas – os textos I e II também apresentam diferentes propostas temáticas: enquanto o primeiro reflete acerca do processo de coisificação a que o ser humano vem sendo historicamente submetido por vias da imposição midiática, que induz ao consumo exacerbado e predador, o segundo se limita a infantilizar o apelo publicitário, no momento em que, de forma ingênua e bem humorada, se utiliza do corpo dos bebês para expressão explícita do consumo.

    III- O texto I traz como proposta um processo de escravização do ser humano, promovido pela mídia, que o induz a se transformar em objeto e coisa do consumo, este tido como senhor da contemporaneidade; já o texto II, trata do processo de encantamento e magia autônomos e livres a que a criança é submetida desde os primeiros dias de vida pelos encantos midiáticos impulsionadores do consumismo responsável e adequado a essa fase etária.

    IV- Uma das grandes denúncias explicitadas no texto I se refere à perda da identidade humana a partir da força dos apelos consumistas: a perda da capacidade de escolha livre e independente é uma delas.

    V- A “estamparia ambulante” na qual a criança se transforma (texto II), aliada ao fato de, na cena, estar sendo sustentada por mãos adultas, podem sugerir um processo de manipulação estrategicamente posto e comandado, não só pela indústria do consumo, mas também com o aval da própria família.


    É VERDADEIRO o que se afirma apenas em: 

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2017
    Banca: CPCON
    Órgão: UEPB
    Prova: Advogado

    Texto I


                                     Eu, etiqueta

                      Em minha calça está grudado um nome

                    Que não é meu de batismo ou de cartório

                                    Um nome... estranho

                          Meu blusão traz lembrete de bebida

                          Que jamais pus na boca, nessa vida,

                       Em minha camiseta, a marca de cigarro

                           Que não fumo, até hoje não fumei.

                             Minhas meias falam de produtos

                                  Que nunca experimentei

                           Mas são comunicados a meus pés.

                               Meu tênis é proclama colorido

                               De alguma coisa não provada

                             Por este provador de longa idade.

                         Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro,

                        Minha gravata e cinto e escova e pente,

                                    Meu copo, minha xícara,

                            Minha toalha de banho e sabonete,

                                       Meu isso, meu aquilo.

                           Desde a cabeça ao bico dos sapatos,

                                           São mensagens,

                                            Letras falantes,

                                             Gritos visuais,

                            Ordens de uso, abuso, reincidências.

                                  Costume, hábito, premência,

                                           Indispensabilidade,

                       E fazem de mim homem-anúncio itinerante,

                                  Escravo da matéria anunciada.

                                        Estou, estou na moda.

                        É duro andar na moda, ainda que a moda

                                  Seja negar minha identidade,

                                Trocá-lo por mil, açambarcando

                                  Todas as marcas registradas,

                                 Todos os logotipos do mercado.

                            Com que inocência demito-me de ser

                                   Eu que antes era e me sabia

                           Tão diverso de outros, tão mim mesmo,

                                 Ser pensante sentinte e solitário

                          Com outros seres diversos e conscientes

                             De sua humana, invencível condição.

                                          Agora sou anúncio

                                       Ora vulgar ora bizarro.

                          Em língua nacional ou em qualquer língua

                                    (Qualquer, principalmente.)

                                E nisto me comprazo, tiro glória

                                         De minha anulação.

                            Não sou – vê lá – anúncio contratado.

                                  Eu é que mimosamente pago

                                    Para anunciar, para vender

                          Em bares festas praias pérgulas piscinas,

                                E bem à vista exibo esta etiqueta

                                    Global no corpo que desiste

                          De ser veste e sandália de uma essência

                                       Tão viva, independente,

                         Que moda ou suborno algum a compromete.

                                        Onde terei jogado fora

                              meu gosto e capacidade de escolher,

                              Minhas idiossincrasias tão pessoais,

                           Tão minhas que no rosto se espelhavam

                                      E cada gesto, cada olhar,

                                         Cada vinco da roupa

                                 Sou gravado de forma universal,

                                Saio da estamparia, não de casa,

                                  Da vitrine me tiram, recolocam,

                                    Objeto pulsante mas objeto

                           Que se oferece como signo de outros

                                   Objetos estáticos, tarifados.

                           Por me ostentar assim, tão orgulhoso

                            De ser não eu, mas artigo industrial,

                                Peço que meu nome retifiquem.

                           Já não me convém o título de homem.

                                     Meu nome novo é Coisa.

                                  Eu sou a Coisa, coisamente.

                                 (Carlos Drummond de Andrade)

    Texto II


    Disponível em: >https://www.google.com.br/searchbiw=1366&bih=638&tbm=isch&sa=1&q=propagandas+do+corpo&oq=

    propagandas+do+corpo&gs<. Data da consulta: 10/09/2017. 

    Apartir, ainda, da reflexão proposta nos textos I e II, pode-se deduzir que

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2017
    Banca: CPCON
    Órgão: UEPB
    Prova: Advogado

    Texto I


                                     Eu, etiqueta

                      Em minha calça está grudado um nome

                    Que não é meu de batismo ou de cartório

                                    Um nome... estranho

                          Meu blusão traz lembrete de bebida

                          Que jamais pus na boca, nessa vida,

                       Em minha camiseta, a marca de cigarro

                           Que não fumo, até hoje não fumei.

                             Minhas meias falam de produtos

                                  Que nunca experimentei

                           Mas são comunicados a meus pés.

                               Meu tênis é proclama colorido

                               De alguma coisa não provada

                             Por este provador de longa idade.

                         Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro,

                        Minha gravata e cinto e escova e pente,

                                    Meu copo, minha xícara,

                            Minha toalha de banho e sabonete,

                                       Meu isso, meu aquilo.

                           Desde a cabeça ao bico dos sapatos,

                                           São mensagens,

                                            Letras falantes,

                                             Gritos visuais,

                            Ordens de uso, abuso, reincidências.

                                  Costume, hábito, premência,

                                           Indispensabilidade,

                       E fazem de mim homem-anúncio itinerante,

                                  Escravo da matéria anunciada.

                                        Estou, estou na moda.

                        É duro andar na moda, ainda que a moda

                                  Seja negar minha identidade,

                                Trocá-lo por mil, açambarcando

                                  Todas as marcas registradas,

                                 Todos os logotipos do mercado.

                            Com que inocência demito-me de ser

                                   Eu que antes era e me sabia

                           Tão diverso de outros, tão mim mesmo,

                                 Ser pensante sentinte e solitário

                          Com outros seres diversos e conscientes

                             De sua humana, invencível condição.

                                          Agora sou anúncio

                                       Ora vulgar ora bizarro.

                          Em língua nacional ou em qualquer língua

                                    (Qualquer, principalmente.)

                                E nisto me comprazo, tiro glória

                                         De minha anulação.

                            Não sou – vê lá – anúncio contratado.

                                  Eu é que mimosamente pago

                                    Para anunciar, para vender

                          Em bares festas praias pérgulas piscinas,

                                E bem à vista exibo esta etiqueta

                                    Global no corpo que desiste

                          De ser veste e sandália de uma essência

                                       Tão viva, independente,

                         Que moda ou suborno algum a compromete.

                                        Onde terei jogado fora

                              meu gosto e capacidade de escolher,

                              Minhas idiossincrasias tão pessoais,

                           Tão minhas que no rosto se espelhavam

                                      E cada gesto, cada olhar,

                                         Cada vinco da roupa

                                 Sou gravado de forma universal,

                                Saio da estamparia, não de casa,

                                  Da vitrine me tiram, recolocam,

                                    Objeto pulsante mas objeto

                           Que se oferece como signo de outros

                                   Objetos estáticos, tarifados.

                           Por me ostentar assim, tão orgulhoso

                            De ser não eu, mas artigo industrial,

                                Peço que meu nome retifiquem.

                           Já não me convém o título de homem.

                                     Meu nome novo é Coisa.

                                  Eu sou a Coisa, coisamente.

                                 (Carlos Drummond de Andrade)

    Atente aos vocábulos em destaque nos versos a seguir, extraídos do texto I, e responda ao que se pede:


    “Meu nome novo é Coisa. / Eu sou a Coisa, coisamente.”


    Com base nas pistas semântico-discursivas propostas no texto, e fazendo-se as devidas adaptações morfossintáticas, as palavras que, na sequência, melhor podem substituir as sublinhadas são:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2017
    Banca: CPCON
    Órgão: UEPB
    Prova: Advogado

    Texto I


                                     Eu, etiqueta

                      Em minha calça está grudado um nome

                    Que não é meu de batismo ou de cartório

                                    Um nome... estranho

                          Meu blusão traz lembrete de bebida

                          Que jamais pus na boca, nessa vida,

                       Em minha camiseta, a marca de cigarro

                           Que não fumo, até hoje não fumei.

                             Minhas meias falam de produtos

                                  Que nunca experimentei

                           Mas são comunicados a meus pés.

                               Meu tênis é proclama colorido

                               De alguma coisa não provada

                             Por este provador de longa idade.

                         Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro,

                        Minha gravata e cinto e escova e pente,

                                    Meu copo, minha xícara,

                            Minha toalha de banho e sabonete,

                                       Meu isso, meu aquilo.

                           Desde a cabeça ao bico dos sapatos,

                                           São mensagens,

                                            Letras falantes,

                                             Gritos visuais,

                            Ordens de uso, abuso, reincidências.

                                  Costume, hábito, premência,

                                           Indispensabilidade,

                       E fazem de mim homem-anúncio itinerante,

                                  Escravo da matéria anunciada.

                                        Estou, estou na moda.

                        É duro andar na moda, ainda que a moda

                                  Seja negar minha identidade,

                                Trocá-lo por mil, açambarcando

                                  Todas as marcas registradas,

                                 Todos os logotipos do mercado.

                            Com que inocência demito-me de ser

                                   Eu que antes era e me sabia

                           Tão diverso de outros, tão mim mesmo,

                                 Ser pensante sentinte e solitário

                          Com outros seres diversos e conscientes

                             De sua humana, invencível condição.

                                          Agora sou anúncio

                                       Ora vulgar ora bizarro.

                          Em língua nacional ou em qualquer língua

                                    (Qualquer, principalmente.)

                                E nisto me comprazo, tiro glória

                                         De minha anulação.

                            Não sou – vê lá – anúncio contratado.

                                  Eu é que mimosamente pago

                                    Para anunciar, para vender

                          Em bares festas praias pérgulas piscinas,

                                E bem à vista exibo esta etiqueta

                                    Global no corpo que desiste

                          De ser veste e sandália de uma essência

                                       Tão viva, independente,

                         Que moda ou suborno algum a compromete.

                                        Onde terei jogado fora

                              meu gosto e capacidade de escolher,

                              Minhas idiossincrasias tão pessoais,

                           Tão minhas que no rosto se espelhavam

                                      E cada gesto, cada olhar,

                                         Cada vinco da roupa

                                 Sou gravado de forma universal,

                                Saio da estamparia, não de casa,

                                  Da vitrine me tiram, recolocam,

                                    Objeto pulsante mas objeto

                           Que se oferece como signo de outros

                                   Objetos estáticos, tarifados.

                           Por me ostentar assim, tão orgulhoso

                            De ser não eu, mas artigo industrial,

                                Peço que meu nome retifiquem.

                           Já não me convém o título de homem.

                                     Meu nome novo é Coisa.

                                  Eu sou a Coisa, coisamente.

                                 (Carlos Drummond de Andrade)

    Texto II
    Disponível em: >https://www.google.com.br/searchbiw=1366&bih=638&tbm=isch&sa=1&q=propagandas+do+corpo&oq=
    propagandas+do+corpo&gs<. Data da consulta: 10/09/2017. 

    Entre os textos I e II existe uma proximidade semântica. Observe os versos abaixo extraídos do texto I, e, em seguida, assinale a alternativa que apresenta os versos que melhor ilustram as pistas temáticas propostas quando comparadas às do texto II.

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2017
    Banca: CPCON
    Órgão: UEPB
    Prova: Advogado

    Um texto bem construído e, naturalmente, bem interpretado, vai apresentar aquilo que Beaugrande, Dressler (1996) e Costa Val (2002) chamam de textualidade, isto é, o conjunto de características que fazem com que um texto seja assim chamado e não uma sequência de frases quaisquer.


    Atente para os dois textos a seguir e responda ao que se pede:



    Texto IV

    As Caravanas (Chico Buarque)


    É um dia de real grandeza, tudo azul

    Um mar turquesa à la Istambul enchendo os olhos

    Um sol de torrar os miolos

    Quando pinta em Copacabana

    A caravana do Arará, do Caxangá, da Chatuba

    A caravana do Irajá, o comboio da Penha

    Não há barreira que retenha esses estranhos

    Suburbanos tipo muçulmanos do Jacarezinho

    A caminho do Jardim de Alá

    É o bicho, é o buchicho, é a charanga


    Diz que malocam seus facões e adagas

    Em sungas estufadas e calções disformes

    É, diz que eles têm picas enormes

    E seus sacos são granadas

    Lá das quebradas da Maré


    Com negros torsos nus deixam em polvorosa

    A gente ordeira e virtuosa que apela

    Pra polícia despachar de volta

    O populacho pra favela

    Ou pra Benguela, ou pra Guiné


    Sol, a culpa deve ser do sol

    Que bate na moleira, o sol

    Que estoura as veias, o suor

    Que embaça os olhos e a razão


    E essa zoeira dentro da prisão

    Crioulos empilhados no porão

    De caravelas no alto mar 

    Tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria

    Filha do medo, a raiva é mãe da covardia

    Ou doido sou eu que escuto vozes

    Não há gente tão insana

    Nem caravana

    Nem caravana

    Nem caravana do Arará

    Anulada

    Apartir dos textos III e IV, julgue cada uma das afirmações feitas a seguir à luz dos elementos de textualidade presentes em cada uma delas e em seguida responda ao que se pede.


    I- No texto III o jogo semântico-discursivo, que envolve elementos sócio-históricos interrelacionados com os processos de colonização do Brasil podem ser inferidos, por exemplo, a partir do cruzamento do campo semântico das expressões RICO e AZEITE (referências a Portugal, local de grande produção de azeites no mundo e país colonizador do Brasil) com ESCURO e SEGURANÇA(alusão implícita ao processo de escravatura, comandado por este país, bem como ao fato de grande parte dos negros e afrodescendentes brasileiros, ainda hoje, estarem relegados a profissões que não transcendem a de segurança particular). Não obstante esse jogo semântico-discursivo marcado por pistas que denunciam tal relação, não se percebe, ainda, elementos textuais suficientes justificadores de coerência para afirmar que se trate efetivamente de um texto.

    II- No texto IV, a polissemia da palavra “caravana” remete a um campo semântico vasto, complexo e marcado por um amálgama de elementos intertextuais, sócio-históricos, políticos e até geográficos que reatualizam o terror dos navios negreiros que transportavam escravos. A caravana contemporânea, agora, encabeçada pela elite carioca, é denunciada por via de um novo componente: o preconceito social, no caso em tela, da zona sul, contra os crioulos pobres e egressos das favelas, ‘escravos livres’ e cativos da opressão endêmica a que os pobres vêm sendo submetidos historicamente, fruto de um processo de ódio, raiva e covardia, segundo a denúncia veiculada, encabeçada por essa elite branca. Tais elementos são mais que justificadores para comprovar elevados graus de informatividade e coerência no poema, fatores de textualidade patentes e incontestáveis.

    III- As caravanas e comboios denunciados no texto e advindos das mais longínquas periferias da cidade não são mais que ararás (espécie de cupim) devoradores, devastadores; de picas enormes e sacos explosivos comem tudo e de tudo. Por essa razão precisam ser expulsos da areia branca do Jardim de Alá e, de preferência, dizimados. Entretanto, expressões como “zoeira”, “quebradas”, “picas”, “É o bicho, é o buchicho”, “populacho” e “malocam” são construções que quebram coesivamente a harmonia do texto, tornando-o cada vez mais incoerente.

    IV- Nos versos “Sol, a culpa deve ser do sol/ Que bate na moleira, o sol/ Que estoura as veias, o suor/ Que embaça os olhos e a razão” (texto IV), os itens em destaque, ao retomarem coesivamente a palavra “sol”, exemplificam, na superfície textual, através do jogo de referencialidades, um importante fator de textualidade denominada coesão textual, fundamental para dar a unidade formal ao texto.

    V- Ainda no texto IV, pode-se afirmar que não há inferências a maiores riquezas polissêmicas, nem tampouco intencionalmente provocadoras e que minimamente conduzam a graus de informatividade mais expressivos. Nos versos “Suburbanos tipo muçulmanos do Jacarezinho/ A caminho do Jardim de Alá”, não há, do ponto de vista de coerência de mundo, sobretudo na contemporaneidade, qualquer relação semântica entre “suburbanos”, “muçulmanos” e “Jardim de Alá”.


    É CORRETO o que se afirma em

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.