O seu navegador (Generic Browser 0) está desatualizado. Melhore sua experiência em nosso site!
Atualize Agora

Questões VUNESP - 2014 - MPE-SP - Auxiliar de Promotoria

Foram encontradas 60 questões

Q415428 Português
Leia a tira para responder a questão



Observando a fala de Liz, no último quadrinho, conclui-se que a moça entendeu que
Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q415429 Português
Leia a tira para responder a questão



De acordo com a norma-padrão, a fala de Liz pode ser reescrita da seguinte forma:

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q415430 Português
Leia a tira para responder a questão.



Na fala do primeiro quadrinho, mantém-se a preposição de se a forma verbal preciso for substituída por
Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q415431 Português
Leia a tira para responder a questão.



Conforme os sentidos da história, assinale a alternativa correta quanto à pontuação.
Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q415432 Português
Leia o texto para responder a questão.

Chuvas com lembranças

      Começam a cair uns pingos de chuva. Tão leves e raros que
nem as borboletas ainda perceberam, e continuam a pousar, às
tontas, de jasmim em jasmim. As pedras estão muito quentes, e
cada gota que cai logo se evapora. Os meninos olham para o céu
cinzento, estendem a mão – vão fazer outra coisa. (Como deseja-
riam pular em poças d’água! – Mas a chuva não vem...)
      Nas terras secas, tanta gente a esta hora está procurando, também,
no céu um sinal de chuva! E nas terras inundadas, quanta
gente estará suspirando por um raio de sol!
      Penso em chuvas de outrora: chuvas matinais, que molham
cabelos soltos, que despencam as flores das cercas, que entram
pelos cadernos escolares e vão apagar a caprichosa caligrafia dos
exercícios!
      Chuvas de viagens: tempestade na Mantiqueira, quando nem
os ponteiros do para-brisa dão vencimento à água; quando
apenas se vê, na noite, a paisagem súbita e fosfórea mostrada pelos
relâmpagos.
      Chuvas antigas, nesta cidade nossa, de eternas enchentes:
a de 1811, que com o desabamento de uma parte do Morro do
Castelo soterrou várias pessoas, arrastou pontes, destruiu
caminhos e causou tal pânico em toda a cidade que durante sete dias
as igrejas e capelas estiveram abertas, acesas, com os sacerdotes
e o povo a pedirem a misericórdia divina.
      Chuvas modernas, sem igrejas em prece, mas com as ruas
igualmente transformadas em rios, os barracos a escorregarem
pelos morros; barreiras, pedras, telheiros a soterrarem pobre gente!
      Por enquanto, caem apenas algumas gotas aqui e ali, que
nem as borboletas percebem. Os meninos esperam em vão pelas
poças d’água onde pulariam contentes. Tudo é apenas calor e
céu cinzento, um céu de pedra onde os sábios e avisados tantas
coisas liam, outrora...
      “São Jerônimo, Santa Bárbara Virgem, lá no céu está escrito,
entre a cruz e a água benta: Livrai-nos, Senhor, desta tormenta!”

(Cecília Meireles, Escolha o seu sonho. Adaptado)
Com seu texto, a autora tem a intenção de
Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Respostas
1: B
2: C
3: A
4: E
5: D