O seu navegador (Generic Browser 0) está desatualizado. Melhore sua experiência em nosso site!
Atualize Agora

Questões PR-4 UFRJ - 2018 - UFRJ - Arquiteto e Urbanista

Foram encontradas 60 questões

Q869986 Português

                                     TEXTO 1


As Caravanas

Chico Buarque | 2017


É um dia de real grandeza, tudo azul

Um mar turqueza à la Istambul enchendo os olhos

Um sol de torrar os miolos

Quando pinta em Copacabana


A caravana do Arará1 — do Caxangá, da Chatuba

A caravana do Irajá, o comboio da Penha

Não há barreira que retenha esses estranhos

Suburbanos tipo muçulmanos do Jacarezinho

A caminho do Jardim de Alá — é o bicho,

é o buchicho é a charanga


Diz que malocam seus facões e adagas

Em sungas estufadas e calções disformes

Diz que eles têm picas enormes

E seus sacos são granadas

Lá das quebradas da Maré


Com negros torsos nus deixam em polvorosa

A gente ordeira e virtuosa que apela

Pra polícia despachar de volta

O populacho pra favela

Ou pra Benguela, ou pra Guiné


Sol, a culpa deve ser do sol

Que bate na moleira, o sol

Que estoura as veias, o suor

Que embaça os olhos e a razão


E essa zoeira dentro da prisão

Crioulos empilhados no porão

De caravelas no alto mar

Tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria


Filha do medo, a raiva é mãe da covardia

Ou doido sou eu que escuto vozes

Não há gente tão insana

Nem caravana do Arará

1 Parque Arará é uma comunidade popular localizada no bairro carioca de Benfica. 

Conforme a perspectiva do eu poético de As Caravanas, o verso “Não há barreira que retenha esses estranhos” expressa:
Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q869987 Português

                                     TEXTO 1


As Caravanas

Chico Buarque | 2017


É um dia de real grandeza, tudo azul

Um mar turqueza à la Istambul enchendo os olhos

Um sol de torrar os miolos

Quando pinta em Copacabana


A caravana do Arará1 — do Caxangá, da Chatuba

A caravana do Irajá, o comboio da Penha

Não há barreira que retenha esses estranhos

Suburbanos tipo muçulmanos do Jacarezinho

A caminho do Jardim de Alá — é o bicho,

é o buchicho é a charanga


Diz que malocam seus facões e adagas

Em sungas estufadas e calções disformes

Diz que eles têm picas enormes

E seus sacos são granadas

Lá das quebradas da Maré


Com negros torsos nus deixam em polvorosa

A gente ordeira e virtuosa que apela

Pra polícia despachar de volta

O populacho pra favela

Ou pra Benguela, ou pra Guiné


Sol, a culpa deve ser do sol

Que bate na moleira, o sol

Que estoura as veias, o suor

Que embaça os olhos e a razão


E essa zoeira dentro da prisão

Crioulos empilhados no porão

De caravelas no alto mar

Tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria


Filha do medo, a raiva é mãe da covardia

Ou doido sou eu que escuto vozes

Não há gente tão insana

Nem caravana do Arará

1 Parque Arará é uma comunidade popular localizada no bairro carioca de Benfica. 

Assinale a alternativa com a frase que pode ser considerada uma síntese do que expressa essa bela letra de Chico Buarque.
Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q869988 Português

                                     TEXTO 1


As Caravanas

Chico Buarque | 2017


É um dia de real grandeza, tudo azul

Um mar turqueza à la Istambul enchendo os olhos

Um sol de torrar os miolos

Quando pinta em Copacabana


A caravana do Arará1 — do Caxangá, da Chatuba

A caravana do Irajá, o comboio da Penha

Não há barreira que retenha esses estranhos

Suburbanos tipo muçulmanos do Jacarezinho

A caminho do Jardim de Alá — é o bicho,

é o buchicho é a charanga


Diz que malocam seus facões e adagas

Em sungas estufadas e calções disformes

Diz que eles têm picas enormes

E seus sacos são granadas

Lá das quebradas da Maré


Com negros torsos nus deixam em polvorosa

A gente ordeira e virtuosa que apela

Pra polícia despachar de volta

O populacho pra favela

Ou pra Benguela, ou pra Guiné


Sol, a culpa deve ser do sol

Que bate na moleira, o sol

Que estoura as veias, o suor

Que embaça os olhos e a razão


E essa zoeira dentro da prisão

Crioulos empilhados no porão

De caravelas no alto mar

Tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria


Filha do medo, a raiva é mãe da covardia

Ou doido sou eu que escuto vozes

Não há gente tão insana

Nem caravana do Arará

1 Parque Arará é uma comunidade popular localizada no bairro carioca de Benfica. 

Leia atentamente os versos a seguir:


Sol, a culpa deve ser do sol

Que bate na moleira, o sol

Que estoura as veias, o suor

Que embaça os olhos e a razão


Considerando a perspectiva do autor-poeta-compositor e a totalidade da letra de As Caravanas, pode-se afirmar que, nesses versos, Chico Buarque faz referência:

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q869989 Português

                                     TEXTO 1


As Caravanas

Chico Buarque | 2017


É um dia de real grandeza, tudo azul

Um mar turqueza à la Istambul enchendo os olhos

Um sol de torrar os miolos

Quando pinta em Copacabana


A caravana do Arará1 — do Caxangá, da Chatuba

A caravana do Irajá, o comboio da Penha

Não há barreira que retenha esses estranhos

Suburbanos tipo muçulmanos do Jacarezinho

A caminho do Jardim de Alá — é o bicho,

é o buchicho é a charanga


Diz que malocam seus facões e adagas

Em sungas estufadas e calções disformes

Diz que eles têm picas enormes

E seus sacos são granadas

Lá das quebradas da Maré


Com negros torsos nus deixam em polvorosa

A gente ordeira e virtuosa que apela

Pra polícia despachar de volta

O populacho pra favela

Ou pra Benguela, ou pra Guiné


Sol, a culpa deve ser do sol

Que bate na moleira, o sol

Que estoura as veias, o suor

Que embaça os olhos e a razão


E essa zoeira dentro da prisão

Crioulos empilhados no porão

De caravelas no alto mar

Tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria


Filha do medo, a raiva é mãe da covardia

Ou doido sou eu que escuto vozes

Não há gente tão insana

Nem caravana do Arará

1 Parque Arará é uma comunidade popular localizada no bairro carioca de Benfica. 

Considere o trecho a seguir:


Ou doido sou eu que escuto vozes

Não há gente tão insana

Nem caravana do Arará


Nesses versos finais da canção As Caravanas, o admirado compositor popular:

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Q869990 Português

Texto 2


Nestes tempos de imposturas, de impositores, imprecações, impolidez, impudência, imprevisão; as semelhanças e diferenças semântico-linguísticas ensinadas por Sérgio Rodrigues em “Viva a Língua Brasileira!” valem nossa reflexão.


“IMPOSTOS E IMPOSTORES


Já parou pra pensar na semelhança entre as palavras imposto (tributo) e impostor (farsante)? Seria gratuita, casual? Não. As duas vieram do verbo latino imponere, isto é, ‘impor, sobrepor, aplicar, encarregar de, obrigar a’, mas também ‘ludibriar, iludir’. Imposto é aquilo que se impõe de forma legítima, um dever. Impostor é aquele que impõe algo aos outros sem ter o direito de fazê-lo, passando-se pelo que não é. Parentes próximos, os dois vocábulos desembarcaram em português na mesma época, no século XVII, trazendo na bagagem o estranhamento semântico cultivado desde o latim: o primeiro tinha ares solenes e respeitáveis, enquanto o segundo sempre arrastou pelos cantos sua sombra escusa como sinônimo de ‘enganador, estelionatário’”.


Em relação à origem das palavras “impostos“ e “impositores, assinale a alternativa com a afirmação correta:

Respostas
1: B
2: D
3: B
4: C
5: A