Atualizando histórico

Estamos atualizando seu histórico de questões resolvidas, por favor aguarde alguns instantes.

Menu
Cadastre-se ASSINAR

Questões de Concursos - Questões

ver filtro
filtros salvos
  • Você ainda não salvou nenhum filtro
    • Apenas que tenham
    • Excluir questões
    salvar
    salvar x
    limpar
    4.905 questões encontradas
    Ano: 2018
    Banca: COPEVE-UFAL
    Órgão: UFAL
    Prova: Enfermeiro
    [...]
    Olha
    Será que é uma estrela
    Será que é mentira
    Será que é comédia
    Será que é divina
    A vida da atriz
    Se ela um dia despencar do céu
    E se os pagantes exigirem bis
    E se o arcanjo passar o chapéu
    E se eu pudesse entrar na sua vida

    Disponível em: <https://www.letra.mus.br/chico-buarque/45115/>. Acesso em: 11 abr. 2018.

    Dadas as proposições sobre os versos de Chico Buarque,

    I. O substantivo pagantes em “E se os pagantes exigirem bis” é coerente com a profissão da personagem, já que se trata de uma atriz.
    II. Uma figura de linguagem presente nesses versos e ligada, principalmente, ao ritmo é a anáfora.
    III. A expressão anafórica E se... encontra-se acompanhada de diferentes sujeitos que desempenham ações com significados diversos; entretanto, a impressão geral do contexto pode ser a de condição.

    verifica-se que está(ão) correta(s)

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    02
    Q902759
    Ano: 2018
    Banca: COPEVE-UFAL
    Órgão: UFAL
    Prova: Enfermeiro
        A tradição cristã rejeita o prazer. Aquele que busca o prazer desobedece a Deus. Tanto assim que, para agradar a Deus, os fiéis se apressam a oferecer sofrimentos e renúncias, certos de que é o sofrimento dos homens que visa ao prazer. Não tenho conhecimento de alguém que, a fim de conquistar a confiança de Deus, tenha feito promessas de ouvir Mosart ou fazer amor.

    ALVES, Rubem. Variações sobre o prazer. São Paulo: Planeta, 2011. p. 96.

    Substuindo-se o verbo da oração pelo o que está entre parênteses, em qual das alternativas a mesma transitividade é mantida?

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2018
    Banca: COPEVE-UFAL
    Órgão: UFAL
    Prova: Enfermeiro



    Disponível em: <http://sopalavreandoerefletindo.blogspot.com.br/2015/10/am-bi-gui-da-de-sera.html>. Acesso em: 15 abr. 2018.

    Ao analisar o quadrinho, percebe-se que a ambiguidade foi desencadeada pelo(a)

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2018
    Banca: COPEVE-UFAL
    Órgão: UFAL
    Prova: Enfermeiro
        Um velho observador do mar e das fortunas humanas, ele achava que as duas coisas se pareciam. Os ricos também vinham em ondas como o mar, e mesmo que quebrassem na costa como as ondas, atrás viriam outros e mais outros. Cada onda era diferente, mas o mar era sempre o mesmo, assim como cada geração de ricos era diferente, mas a riqueza que as impelia para a praia, e para o seu restaurante, era constante e confiável. Podia subir ou descer – como a maré – mas não falhava. [...]

    VERÍSSIMO, Luís Fernando. Em algum lugar do paraíso. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011. p. 31.

    Acerca das relações semânticas dos vocábulos destacados no trecho, é linguisticamente adequado afirmar que eles expressam, respectivamente, circunstância de

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2018
    Banca: COPEVE-UFAL
    Órgão: UFAL
    Prova: Enfermeiro
    A ditadura do bom

        [...]
       O mundo da excelência e da competição tem que resgatar seu amor ao diferente, ao exótico, ao feito à mão, ao individualizado, ao não-perfeito, à surpresa, ao descontrole e ao imprevisível. Como poderemos tolerar os outros e amá-los, se não toleramos em nós o que é “outro”, o que está fora de padrão e de expectativas?
        Não há identidade sem o outro; não há bom sem o ruim; não há bem sem o mal. Essa é a maneira como o ser humano enxerga a tensão da vida. Qualquer tentativa de engenharia que vise extirpar o “outro-ruim” corre o risco de inventar um “bom” monstruoso, que seja desagradável, horrendo e destrutivo. Com certeza o verbo dessa nova frase fundadora do futuro não seria mais o mesmo. Afinal amar é o sentimento capaz de apreciar o diferente. Só poderemos integrar nosso “ruim” a nós se pudermos processá-lo por meio do sentimento de amor.
        Num mundo só bom não há espaço para o humano. Entender isso é o grande desafio de nossa civilização. Mas sem dúvida implica coisas muito difíceis, tais como amar ou acolher nosso “ruim”. Em nossa fraqueza está nossa grandeza. É isso que chamamos de consciência humana – uma “terceira via” entre a ingenuidade animal e a ignorância da dominação.

    Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0211199909.htm>. Acesso em: 11 abr. 2018.

    Dadas as assertivas, considerando as ideias do texto,

    I. A temática do texto é a interdependência entre o bom e o ruim. O autor tenta evidenciar que o bom e o ruim são duas faces de um mesmo fenômeno cultural.
    II. Percebe-se, no texto, uma abordagem mais objetiva, já que o enunciador tenta camuflar sua opinião por meio de recursos linguísticos como a neutralização de expressões pessoais.
    III. Para propor o desenvolvimento da capacidade de apreciar o diferente, o autor utiliza o argumento de que apenas o amor é capaz de permitir que aceitemos e até apreciemos o outro.

    verifica-se que está(ão) correta(s) apenas

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.