O seu navegador (Generic Browser 0) está desatualizado. Melhore sua experiência em nosso site!
Atualize Agora

[OFERTA POR TEMPO LIMITADO] 30% OFF assinatura Premium Anual

Eu quero

Questões CESPE - 2018 - UNB - Vestibular 2º Dia

Foram encontradas 150 questões

Ano: 2018 Banca: CESPE Órgão: UNB Prova: CESPE - 2018 - UNB - Vestibular 2º Dia |
Q1127800 Não definido

                   


      Em 1993, quando o primeiro filme da franquia Jurassic Park foi lançado, cientistas interessados em paleontologia ou biologia molecular compartilharam de uma mesma pergunta: “Podemos ressuscitar um dinossauro?”. A resposta sempre tinha sido um não enfático, mas, de certa forma, Jurassic Park inspirou o desenvolvimento da ciência e da tecnologia a partir da pesquisa de DNA antigo.

      A molécula de DNA é relativamente frágil, pois não é resistente à ação das condições climáticas por dezenas de milhões de anos. Pelo que se sabe, é impossível encontrar DNA de dinossauros mesozoicos preservado em ossos fossilizados ou no estômago de mosquitos aprisionados em âmbar.

      Inspirados por Jurassic Park e movidos pelo desejo de ver um dinossauro vivo, o paleontólogo J. Horner e sua equipe de pesquisadores têm trabalhado no campo da genética e da biologia do desenvolvimento. A ideia desses pesquisadores é produzir um dinossauro, não por meio de DNA preservado em âmbar ou fósseis, mas pela manipulação genética do DNA de aves atuais — especificamente, de galinhas.

      Não é mais novidade que as aves são descendentes dos dinossauros. Paleontólogos vêm estudando as semelhanças entre esses organismos há anos e cada vez mais têm verificado o quão parecidos com as aves eram os dinossauros terópodes (um grupo de dinossauros bípedes, provavelmente onívoros, que possuíam três dedos em contato com o chão).

      De acordo com J. Horner, o estudo do DNA das aves pode não só ajudar a entender muitos aspectos evolutivos dos dinossauros, mas também revelar o segredo para recriá-los, já que, hipoteticamente, bastaria ativar os genes corretos no momento certo do desenvolvimento do animal.

Internet: <revistagalileu globo com> e <scienceblogs com br> (com adaptações) 

Considerando as informações do texto precedente e os diversos aspectos relacionados a essas informações, julgue o item que se segue.


Os dinossauros começaram a habitar a Terra há 1 milhão de anos, na era Paleozoica, no período terciário.

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Ano: 2018 Banca: CESPE Órgão: UNB Prova: CESPE - 2018 - UNB - Vestibular 2º Dia |
Q1127801 Não definido

                   


      Em 1993, quando o primeiro filme da franquia Jurassic Park foi lançado, cientistas interessados em paleontologia ou biologia molecular compartilharam de uma mesma pergunta: “Podemos ressuscitar um dinossauro?”. A resposta sempre tinha sido um não enfático, mas, de certa forma, Jurassic Park inspirou o desenvolvimento da ciência e da tecnologia a partir da pesquisa de DNA antigo.

      A molécula de DNA é relativamente frágil, pois não é resistente à ação das condições climáticas por dezenas de milhões de anos. Pelo que se sabe, é impossível encontrar DNA de dinossauros mesozoicos preservado em ossos fossilizados ou no estômago de mosquitos aprisionados em âmbar.

      Inspirados por Jurassic Park e movidos pelo desejo de ver um dinossauro vivo, o paleontólogo J. Horner e sua equipe de pesquisadores têm trabalhado no campo da genética e da biologia do desenvolvimento. A ideia desses pesquisadores é produzir um dinossauro, não por meio de DNA preservado em âmbar ou fósseis, mas pela manipulação genética do DNA de aves atuais — especificamente, de galinhas.

      Não é mais novidade que as aves são descendentes dos dinossauros. Paleontólogos vêm estudando as semelhanças entre esses organismos há anos e cada vez mais têm verificado o quão parecidos com as aves eram os dinossauros terópodes (um grupo de dinossauros bípedes, provavelmente onívoros, que possuíam três dedos em contato com o chão).

      De acordo com J. Horner, o estudo do DNA das aves pode não só ajudar a entender muitos aspectos evolutivos dos dinossauros, mas também revelar o segredo para recriá-los, já que, hipoteticamente, bastaria ativar os genes corretos no momento certo do desenvolvimento do animal.

Internet: <revistagalileu globo com> e <scienceblogs com br> (com adaptações) 

Considerando as informações do texto precedente e os diversos aspectos relacionados a essas informações, julgue o item que se segue.


O projeto de J. Horner de reproduzir um dinossauro é inviável, pois contraria o método científico ao basear-se na adoção de uma hipótese.

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Ano: 2018 Banca: CESPE Órgão: UNB Prova: CESPE - 2018 - UNB - Vestibular 2º Dia |
Q1127802 Não definido

                   


      Em 1993, quando o primeiro filme da franquia Jurassic Park foi lançado, cientistas interessados em paleontologia ou biologia molecular compartilharam de uma mesma pergunta: “Podemos ressuscitar um dinossauro?”. A resposta sempre tinha sido um não enfático, mas, de certa forma, Jurassic Park inspirou o desenvolvimento da ciência e da tecnologia a partir da pesquisa de DNA antigo.

      A molécula de DNA é relativamente frágil, pois não é resistente à ação das condições climáticas por dezenas de milhões de anos. Pelo que se sabe, é impossível encontrar DNA de dinossauros mesozoicos preservado em ossos fossilizados ou no estômago de mosquitos aprisionados em âmbar.

      Inspirados por Jurassic Park e movidos pelo desejo de ver um dinossauro vivo, o paleontólogo J. Horner e sua equipe de pesquisadores têm trabalhado no campo da genética e da biologia do desenvolvimento. A ideia desses pesquisadores é produzir um dinossauro, não por meio de DNA preservado em âmbar ou fósseis, mas pela manipulação genética do DNA de aves atuais — especificamente, de galinhas.

      Não é mais novidade que as aves são descendentes dos dinossauros. Paleontólogos vêm estudando as semelhanças entre esses organismos há anos e cada vez mais têm verificado o quão parecidos com as aves eram os dinossauros terópodes (um grupo de dinossauros bípedes, provavelmente onívoros, que possuíam três dedos em contato com o chão).

      De acordo com J. Horner, o estudo do DNA das aves pode não só ajudar a entender muitos aspectos evolutivos dos dinossauros, mas também revelar o segredo para recriá-los, já que, hipoteticamente, bastaria ativar os genes corretos no momento certo do desenvolvimento do animal.

Internet: <revistagalileu globo com> e <scienceblogs com br> (com adaptações) 

Considerando as informações do texto precedente e os diversos aspectos relacionados a essas informações, julgue o item que se segue.


A molécula de DNA, considerada frágil conforme o texto, é um polímero de nucleotídeos, e sua fragmentação impede o reconhecimento da sequência original.

Ano: 2018 Banca: CESPE Órgão: UNB Prova: CESPE - 2018 - UNB - Vestibular 2º Dia |
Q1127803 Não definido

                   


      Em 1993, quando o primeiro filme da franquia Jurassic Park foi lançado, cientistas interessados em paleontologia ou biologia molecular compartilharam de uma mesma pergunta: “Podemos ressuscitar um dinossauro?”. A resposta sempre tinha sido um não enfático, mas, de certa forma, Jurassic Park inspirou o desenvolvimento da ciência e da tecnologia a partir da pesquisa de DNA antigo.

      A molécula de DNA é relativamente frágil, pois não é resistente à ação das condições climáticas por dezenas de milhões de anos. Pelo que se sabe, é impossível encontrar DNA de dinossauros mesozoicos preservado em ossos fossilizados ou no estômago de mosquitos aprisionados em âmbar.

      Inspirados por Jurassic Park e movidos pelo desejo de ver um dinossauro vivo, o paleontólogo J. Horner e sua equipe de pesquisadores têm trabalhado no campo da genética e da biologia do desenvolvimento. A ideia desses pesquisadores é produzir um dinossauro, não por meio de DNA preservado em âmbar ou fósseis, mas pela manipulação genética do DNA de aves atuais — especificamente, de galinhas.

      Não é mais novidade que as aves são descendentes dos dinossauros. Paleontólogos vêm estudando as semelhanças entre esses organismos há anos e cada vez mais têm verificado o quão parecidos com as aves eram os dinossauros terópodes (um grupo de dinossauros bípedes, provavelmente onívoros, que possuíam três dedos em contato com o chão).

      De acordo com J. Horner, o estudo do DNA das aves pode não só ajudar a entender muitos aspectos evolutivos dos dinossauros, mas também revelar o segredo para recriá-los, já que, hipoteticamente, bastaria ativar os genes corretos no momento certo do desenvolvimento do animal.

Internet: <revistagalileu globo com> e <scienceblogs com br> (com adaptações) 

Considerando as informações do texto precedente e os diversos aspectos relacionados a essas informações, julgue o item que se segue.


O projeto de reprodução de um dinossauro a partir da manipulação genética de células de aves depende da conservação dos genes durante o processo de duplicação dos cromossomos na interfase.

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Ano: 2018 Banca: CESPE Órgão: UNB Prova: CESPE - 2018 - UNB - Vestibular 2º Dia |
Q1127804 Não definido

                   


      Em 1993, quando o primeiro filme da franquia Jurassic Park foi lançado, cientistas interessados em paleontologia ou biologia molecular compartilharam de uma mesma pergunta: “Podemos ressuscitar um dinossauro?”. A resposta sempre tinha sido um não enfático, mas, de certa forma, Jurassic Park inspirou o desenvolvimento da ciência e da tecnologia a partir da pesquisa de DNA antigo.

      A molécula de DNA é relativamente frágil, pois não é resistente à ação das condições climáticas por dezenas de milhões de anos. Pelo que se sabe, é impossível encontrar DNA de dinossauros mesozoicos preservado em ossos fossilizados ou no estômago de mosquitos aprisionados em âmbar.

      Inspirados por Jurassic Park e movidos pelo desejo de ver um dinossauro vivo, o paleontólogo J. Horner e sua equipe de pesquisadores têm trabalhado no campo da genética e da biologia do desenvolvimento. A ideia desses pesquisadores é produzir um dinossauro, não por meio de DNA preservado em âmbar ou fósseis, mas pela manipulação genética do DNA de aves atuais — especificamente, de galinhas.

      Não é mais novidade que as aves são descendentes dos dinossauros. Paleontólogos vêm estudando as semelhanças entre esses organismos há anos e cada vez mais têm verificado o quão parecidos com as aves eram os dinossauros terópodes (um grupo de dinossauros bípedes, provavelmente onívoros, que possuíam três dedos em contato com o chão).

      De acordo com J. Horner, o estudo do DNA das aves pode não só ajudar a entender muitos aspectos evolutivos dos dinossauros, mas também revelar o segredo para recriá-los, já que, hipoteticamente, bastaria ativar os genes corretos no momento certo do desenvolvimento do animal.

Internet: <revistagalileu globo com> e <scienceblogs com br> (com adaptações) 

Considerando as informações do texto precedente e os diversos aspectos relacionados a essas informações, julgue o item que se segue.


Infere-se do texto que a reprodução dos dinossauros terópodes era assexuada.

Você errou!   Resposta: Parabéns! Você acertou!
Respostas
1: E
2: E
3: C
4: C
5: E