Atualizando histórico

Estamos atualizando seu histórico de questões resolvidas, por favor aguarde alguns instantes.

Menu
Cadastre-se

Questões de Concursos - Questões

ver filtro
filtros salvos
  • Você ainda não salvou nenhum filtro
    • Apenas que tenham
    • Excluir questões
    salvar
    salvar x
    limpar
    40 questões encontradas
    Ano: 2016
    Banca: FUNDEP (Gestão de Concursos)
    Órgão: Prefeitura de São Lourenço - MG
    INSTRUÇÃO: Leia o texto I, a seguir, para responder à questão.
    TEXTO I

    O gato sou eu

    – Aí então, eu sonhei que tinha acordado. Mas continuei dormindo.
    – Continuou dormindo.
    – Continuei dormindo e sonhando. Sonhei que estava acordado na cama, e ao lado, sentado na cadeira, tinha um gato me olhando.
    – Que espécie de gato?
    – Não sei. Um gato. Não entendo de gatos. Acho que era um gato preto. Só sei que me olhava com aqueles olhos parados de gato.
    – A que você associa essa imagem?
    – Não era uma imagem: era um gato.
    – Estou dizendo a imagem do seu sonho: essa criação onírica simboliza uma profunda vivência interior. É uma projeção do seu subconsciente. A que você associa ela?
    – Associo a um gato.
    – Eu sei: aparentemente se trata de um gato. Mas na realidade o gato, no caso, é a representação de alguém. Alguém que lhe inspira um temor reverencial. Alguém que a seu ver está buscando desvendar o seu mais íntimo segredo. Quem pode ser esse alguém, me diga? Você deitado aí nesse divã como na cama em seu sonho, eu aqui nesta poltrona, o gato na cadeira… Evidentemente esse gato sou eu.
    – Essa não, doutor. A ser alguém, neste caso o gato sou eu.
    – Você está enganado. E o mais curioso é que, ao mesmo tempo, está certo, certíssimo, no sentido em que tudo o que se sonha não passa de uma projeção do eu.
    – Uma projeção do senhor?
    – Não: uma projeção do eu. O eu, no caso, é você.
    – Eu sou o senhor? Qual é, doutor? Está querendo me confundir a cabeça ainda mais? Eu sou eu, o senhor é o senhor, e estamos conversados.
    – Eu sei: eu sou eu, você é você. Nem eu iria pôr em dúvida uma coisa dessas, mais do que evidente. Não é isso que eu estou dizendo. Quando falo no eu, não estou falando em mim, por favor, entenda.
    – Em quem o senhor está falando?
    – Estou falando na individualidade do ser, que se projeta em símbolos oníricos. Dos quais o gato do seu sonho é um perfeito exemplo. E o papel que você atribui ao gato, de fiscalizá-lo o tempo todo, sem tirar os olhos de você, é o mesmo que atribui a mim. Por isso é que eu digo que o gato sou eu.
    – Absolutamente. O senhor vai me desculpar, doutor, mas o gato sou eu, e disto não abro mão.
    – Vamos analisar essa sua resistência em admitir que eu seja o gato.
    – Então vamos começar pela sua insistência em querer ser o gato. Afinal de contas, de quem é o sonho: meu ou seu?
    – Seu. Quanto a isto, não há a menor dúvida.
    – Pois então? Sendo assim, não há também a menor dúvida de que o gato sou eu, não é mesmo?
    – Aí é que você se engana. O gato é você, na sua opinião. E sua opinião é suspeita, porque formulada pelo consciente. Ao passo que, no subconsciente, o gato é uma representação do que significo para você. Portanto, insisto em dizer: o gato sou eu.
    – E eu insisto em dizer: não é.
    – Sou.
    – Não é. O senhor por favor saia do meu gato, que senão eu não volto mais aqui.
    – Observe como inconscientemente você está rejeitando minha interferência na sua vida através de uma chantagem…
    – Que é que há, doutor? Está me chamando de chantagista?
    – É um modo de dizer. Não vai nisso nenhuma ofensa. Quero me referir à sua recusa de que eu participe de sua vida, mesmo num sonho, na forma de um gato.
    – Pois se o gato sou eu! Daqui a pouco o senhor vai querer cobrar consulta até dentro do meu sonho.
    – Olhe aí, não estou dizendo? Olhe a sua reação: isso é a sua maneira de me agredir. Não posso cobrar consulta dentro do seu sonho enquanto eu assumir nele a forma de um gato.
    – Já disse que o gato sou eu!
    – Sou eu!
    – Ponha-se para fora do meu gato!
    – Ponha-se para fora daqui!
    – Sou eu!
    – Eu!
    – Eu! Eu!
    – Eu! Eu! Eu!
    SABINO, Fernando. O gato sou eu. Disponível em: <http://zip. net/bnsb7J>. Acesso em: 8 out. 2015 (Adaptação).
    Estão presentes no texto os seguintes elementos, EXCETO:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2016
    Banca: FUNDEP (Gestão de Concursos)
    Órgão: Prefeitura de São Lourenço - MG
    INSTRUÇÃO: Leia o texto I, a seguir, para responder à questão.
    TEXTO I

    O gato sou eu

    – Aí então, eu sonhei que tinha acordado. Mas continuei dormindo.
    – Continuou dormindo.
    – Continuei dormindo e sonhando. Sonhei que estava acordado na cama, e ao lado, sentado na cadeira, tinha um gato me olhando.
    – Que espécie de gato?
    – Não sei. Um gato. Não entendo de gatos. Acho que era um gato preto. Só sei que me olhava com aqueles olhos parados de gato.
    – A que você associa essa imagem?
    – Não era uma imagem: era um gato.
    – Estou dizendo a imagem do seu sonho: essa criação onírica simboliza uma profunda vivência interior. É uma projeção do seu subconsciente. A que você associa ela?
    – Associo a um gato.
    – Eu sei: aparentemente se trata de um gato. Mas na realidade o gato, no caso, é a representação de alguém. Alguém que lhe inspira um temor reverencial. Alguém que a seu ver está buscando desvendar o seu mais íntimo segredo. Quem pode ser esse alguém, me diga? Você deitado aí nesse divã como na cama em seu sonho, eu aqui nesta poltrona, o gato na cadeira… Evidentemente esse gato sou eu.
    – Essa não, doutor. A ser alguém, neste caso o gato sou eu.
    – Você está enganado. E o mais curioso é que, ao mesmo tempo, está certo, certíssimo, no sentido em que tudo o que se sonha não passa de uma projeção do eu.
    – Uma projeção do senhor?
    – Não: uma projeção do eu. O eu, no caso, é você.
    – Eu sou o senhor? Qual é, doutor? Está querendo me confundir a cabeça ainda mais? Eu sou eu, o senhor é o senhor, e estamos conversados.
    – Eu sei: eu sou eu, você é você. Nem eu iria pôr em dúvida uma coisa dessas, mais do que evidente. Não é isso que eu estou dizendo. Quando falo no eu, não estou falando em mim, por favor, entenda.
    – Em quem o senhor está falando?
    – Estou falando na individualidade do ser, que se projeta em símbolos oníricos. Dos quais o gato do seu sonho é um perfeito exemplo. E o papel que você atribui ao gato, de fiscalizá-lo o tempo todo, sem tirar os olhos de você, é o mesmo que atribui a mim. Por isso é que eu digo que o gato sou eu.
    – Absolutamente. O senhor vai me desculpar, doutor, mas o gato sou eu, e disto não abro mão.
    – Vamos analisar essa sua resistência em admitir que eu seja o gato.
    – Então vamos começar pela sua insistência em querer ser o gato. Afinal de contas, de quem é o sonho: meu ou seu?
    – Seu. Quanto a isto, não há a menor dúvida.
    – Pois então? Sendo assim, não há também a menor dúvida de que o gato sou eu, não é mesmo?
    – Aí é que você se engana. O gato é você, na sua opinião. E sua opinião é suspeita, porque formulada pelo consciente. Ao passo que, no subconsciente, o gato é uma representação do que significo para você. Portanto, insisto em dizer: o gato sou eu.
    – E eu insisto em dizer: não é.
    – Sou.
    – Não é. O senhor por favor saia do meu gato, que senão eu não volto mais aqui.
    – Observe como inconscientemente você está rejeitando minha interferência na sua vida através de uma chantagem…
    – Que é que há, doutor? Está me chamando de chantagista?
    – É um modo de dizer. Não vai nisso nenhuma ofensa. Quero me referir à sua recusa de que eu participe de sua vida, mesmo num sonho, na forma de um gato.
    – Pois se o gato sou eu! Daqui a pouco o senhor vai querer cobrar consulta até dentro do meu sonho.
    – Olhe aí, não estou dizendo? Olhe a sua reação: isso é a sua maneira de me agredir. Não posso cobrar consulta dentro do seu sonho enquanto eu assumir nele a forma de um gato.
    – Já disse que o gato sou eu!
    – Sou eu!
    – Ponha-se para fora do meu gato!
    – Ponha-se para fora daqui!
    – Sou eu!
    – Eu!
    – Eu! Eu!
    – Eu! Eu! Eu!
    SABINO, Fernando. O gato sou eu. Disponível em: <http://zip. net/bnsb7J>. Acesso em: 8 out. 2015 (Adaptação).
    De acordo com a leitura do texto, pode-se afirmar que se trata de:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2016
    Banca: FUNDEP (Gestão de Concursos)
    Órgão: Prefeitura de São Lourenço - MG
    INSTRUÇÃO: Leia o texto I, a seguir, para responder à questão.
    TEXTO I

    O gato sou eu

    – Aí então, eu sonhei que tinha acordado. Mas continuei dormindo.
    – Continuou dormindo.
    – Continuei dormindo e sonhando. Sonhei que estava acordado na cama, e ao lado, sentado na cadeira, tinha um gato me olhando.
    – Que espécie de gato?
    – Não sei. Um gato. Não entendo de gatos. Acho que era um gato preto. Só sei que me olhava com aqueles olhos parados de gato.
    – A que você associa essa imagem?
    – Não era uma imagem: era um gato.
    – Estou dizendo a imagem do seu sonho: essa criação onírica simboliza uma profunda vivência interior. É uma projeção do seu subconsciente. A que você associa ela?
    – Associo a um gato.
    – Eu sei: aparentemente se trata de um gato. Mas na realidade o gato, no caso, é a representação de alguém. Alguém que lhe inspira um temor reverencial. Alguém que a seu ver está buscando desvendar o seu mais íntimo segredo. Quem pode ser esse alguém, me diga? Você deitado aí nesse divã como na cama em seu sonho, eu aqui nesta poltrona, o gato na cadeira… Evidentemente esse gato sou eu.
    – Essa não, doutor. A ser alguém, neste caso o gato sou eu.
    – Você está enganado. E o mais curioso é que, ao mesmo tempo, está certo, certíssimo, no sentido em que tudo o que se sonha não passa de uma projeção do eu.
    – Uma projeção do senhor?
    – Não: uma projeção do eu. O eu, no caso, é você.
    – Eu sou o senhor? Qual é, doutor? Está querendo me confundir a cabeça ainda mais? Eu sou eu, o senhor é o senhor, e estamos conversados.
    – Eu sei: eu sou eu, você é você. Nem eu iria pôr em dúvida uma coisa dessas, mais do que evidente. Não é isso que eu estou dizendo. Quando falo no eu, não estou falando em mim, por favor, entenda.
    – Em quem o senhor está falando?
    – Estou falando na individualidade do ser, que se projeta em símbolos oníricos. Dos quais o gato do seu sonho é um perfeito exemplo. E o papel que você atribui ao gato, de fiscalizá-lo o tempo todo, sem tirar os olhos de você, é o mesmo que atribui a mim. Por isso é que eu digo que o gato sou eu.
    – Absolutamente. O senhor vai me desculpar, doutor, mas o gato sou eu, e disto não abro mão.
    – Vamos analisar essa sua resistência em admitir que eu seja o gato.
    – Então vamos começar pela sua insistência em querer ser o gato. Afinal de contas, de quem é o sonho: meu ou seu?
    – Seu. Quanto a isto, não há a menor dúvida.
    – Pois então? Sendo assim, não há também a menor dúvida de que o gato sou eu, não é mesmo?
    – Aí é que você se engana. O gato é você, na sua opinião. E sua opinião é suspeita, porque formulada pelo consciente. Ao passo que, no subconsciente, o gato é uma representação do que significo para você. Portanto, insisto em dizer: o gato sou eu.
    – E eu insisto em dizer: não é.
    – Sou.
    – Não é. O senhor por favor saia do meu gato, que senão eu não volto mais aqui.
    – Observe como inconscientemente você está rejeitando minha interferência na sua vida através de uma chantagem…
    – Que é que há, doutor? Está me chamando de chantagista?
    – É um modo de dizer. Não vai nisso nenhuma ofensa. Quero me referir à sua recusa de que eu participe de sua vida, mesmo num sonho, na forma de um gato.
    – Pois se o gato sou eu! Daqui a pouco o senhor vai querer cobrar consulta até dentro do meu sonho.
    – Olhe aí, não estou dizendo? Olhe a sua reação: isso é a sua maneira de me agredir. Não posso cobrar consulta dentro do seu sonho enquanto eu assumir nele a forma de um gato.
    – Já disse que o gato sou eu!
    – Sou eu!
    – Ponha-se para fora do meu gato!
    – Ponha-se para fora daqui!
    – Sou eu!
    – Eu!
    – Eu! Eu!
    – Eu! Eu! Eu!
    SABINO, Fernando. O gato sou eu. Disponível em: <http://zip. net/bnsb7J>. Acesso em: 8 out. 2015 (Adaptação).
    Analise as afirmativas a seguir.
    I. No trecho “[...] essa criação onírica simboliza uma profunda vivência interior.”, a palavra destacada está relacionada ao mundo dos sonhos.
    II. No trecho “[...] o gato é uma representação do que significo para você. Portanto, insisto em dizer: o gato sou eu.”, a palavra destacada pode ser substituída por “entretanto”.
    III. No trecho “Quero me referir à sua recusa de que eu participe de sua vida [...]”, o acento indicativo de crase é facultativo.
    Estão CORRETAS as afirmativas:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2016
    Banca: FUNDEP (Gestão de Concursos)
    Órgão: Prefeitura de São Lourenço - MG
    INSTRUÇÃO: Leia o texto I, a seguir, para responder à questão.
    TEXTO I

    O gato sou eu

    – Aí então, eu sonhei que tinha acordado. Mas continuei dormindo.
    – Continuou dormindo.
    – Continuei dormindo e sonhando. Sonhei que estava acordado na cama, e ao lado, sentado na cadeira, tinha um gato me olhando.
    – Que espécie de gato?
    – Não sei. Um gato. Não entendo de gatos. Acho que era um gato preto. Só sei que me olhava com aqueles olhos parados de gato.
    – A que você associa essa imagem?
    – Não era uma imagem: era um gato.
    – Estou dizendo a imagem do seu sonho: essa criação onírica simboliza uma profunda vivência interior. É uma projeção do seu subconsciente. A que você associa ela?
    – Associo a um gato.
    – Eu sei: aparentemente se trata de um gato. Mas na realidade o gato, no caso, é a representação de alguém. Alguém que lhe inspira um temor reverencial. Alguém que a seu ver está buscando desvendar o seu mais íntimo segredo. Quem pode ser esse alguém, me diga? Você deitado aí nesse divã como na cama em seu sonho, eu aqui nesta poltrona, o gato na cadeira… Evidentemente esse gato sou eu.
    – Essa não, doutor. A ser alguém, neste caso o gato sou eu.
    – Você está enganado. E o mais curioso é que, ao mesmo tempo, está certo, certíssimo, no sentido em que tudo o que se sonha não passa de uma projeção do eu.
    – Uma projeção do senhor?
    – Não: uma projeção do eu. O eu, no caso, é você.
    – Eu sou o senhor? Qual é, doutor? Está querendo me confundir a cabeça ainda mais? Eu sou eu, o senhor é o senhor, e estamos conversados.
    – Eu sei: eu sou eu, você é você. Nem eu iria pôr em dúvida uma coisa dessas, mais do que evidente. Não é isso que eu estou dizendo. Quando falo no eu, não estou falando em mim, por favor, entenda.
    – Em quem o senhor está falando?
    – Estou falando na individualidade do ser, que se projeta em símbolos oníricos. Dos quais o gato do seu sonho é um perfeito exemplo. E o papel que você atribui ao gato, de fiscalizá-lo o tempo todo, sem tirar os olhos de você, é o mesmo que atribui a mim. Por isso é que eu digo que o gato sou eu.
    – Absolutamente. O senhor vai me desculpar, doutor, mas o gato sou eu, e disto não abro mão.
    – Vamos analisar essa sua resistência em admitir que eu seja o gato.
    – Então vamos começar pela sua insistência em querer ser o gato. Afinal de contas, de quem é o sonho: meu ou seu?
    – Seu. Quanto a isto, não há a menor dúvida.
    – Pois então? Sendo assim, não há também a menor dúvida de que o gato sou eu, não é mesmo?
    – Aí é que você se engana. O gato é você, na sua opinião. E sua opinião é suspeita, porque formulada pelo consciente. Ao passo que, no subconsciente, o gato é uma representação do que significo para você. Portanto, insisto em dizer: o gato sou eu.
    – E eu insisto em dizer: não é.
    – Sou.
    – Não é. O senhor por favor saia do meu gato, que senão eu não volto mais aqui.
    – Observe como inconscientemente você está rejeitando minha interferência na sua vida através de uma chantagem…
    – Que é que há, doutor? Está me chamando de chantagista?
    – É um modo de dizer. Não vai nisso nenhuma ofensa. Quero me referir à sua recusa de que eu participe de sua vida, mesmo num sonho, na forma de um gato.
    – Pois se o gato sou eu! Daqui a pouco o senhor vai querer cobrar consulta até dentro do meu sonho.
    – Olhe aí, não estou dizendo? Olhe a sua reação: isso é a sua maneira de me agredir. Não posso cobrar consulta dentro do seu sonho enquanto eu assumir nele a forma de um gato.
    – Já disse que o gato sou eu!
    – Sou eu!
    – Ponha-se para fora do meu gato!
    – Ponha-se para fora daqui!
    – Sou eu!
    – Eu!
    – Eu! Eu!
    – Eu! Eu! Eu!
    SABINO, Fernando. O gato sou eu. Disponível em: <http://zip. net/bnsb7J>. Acesso em: 8 out. 2015 (Adaptação).
    São explicações para o humor decorrente da história, EXCETO:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2016
    Banca: FUNDEP (Gestão de Concursos)
    Órgão: Prefeitura de São Lourenço - MG

    INSTRUÇÃO: Leia o texto II, a seguir, para responder à questão.

    TEXTO II

        De acordo com uma reportagem do portal UAI, uma escola de princesas será inaugurada em BH. Parece fofo, afinal, contos de fadas são realmente lindos, mas são… contos! Aliás, esse universo é onírico, remete à mais tenra infância e ajuda os adultos a darem aquela escapada da realidade.

        Eu gastei muito tempo na minha vida para aceitar que a vida não é uma fantasia. Demorei a sair de uma espera passiva pelo príncipe e por um reino com as contas já pagas. A vida urge, é real, é dinâmica e nos exige posturas e respostas agora. Custou, mas descobri as delícias da vida adulta, sobretudo a autonomia.

        Uma coisa chata de ser princesa deve ser ter que ficar só com príncipes. Não que eu não saiba escolher o melhor para mim, mas não é o suficiente o sujeito ser engraçado, bom de papo, trabalhador, honesto e beijar bem? E se o amor demorar um bocadinho, temos que ficar dormindo até ele nos despertar? E quando ele aparecer, precisa nos levar para um castelo? Não dá para dividir as contas de um apê segundo nossas condições?

        Aliás, somos mesmo príncipes e princesas? Não basta sermos homens e mulheres adultos que vivem conforme suportam a própria realidade? Ou necessitamos fantasiar o tempo inteiro a nosso respeito e sobre as relações?

        Nada contra as altezas. Por coincidência, estou de viagem marcada à Disney para o próximo mês, mas vou com o meu dinheiro, conseguido por um esforço real.

    [...]

        Muitos de nós queremos o trono, e eu me sinto coroada quando dispenso a varinha mágica da fada madrinha e vou à luta, colocando a bruxa pra correr e os dragões para dormir. Minha coroa são as minhas superações, as amizades que mantenho, as relações que vivi e o que eu aprendi com elas. É escolher a minha fé, e ter as minhas convicções espirituais a partir das minhas experiências e não do que me ensinaram. Minha coroa é o adulto que me tornei e o meu projeto de vida – traçado e executado por mim.

        Essa coroa não se herda, não vem de brinde e não vem no curso de princesa: ela é fabricada a duras penas na escola da vida.

    CONRADO, Laura. Uai. 9 out. 2015. Disponível em: <http://zip. net/bfr90m>. Acesso em: 13 out. 2015 (Adaptação).

    Nos trechos a seguir, a conjunção mas pode ser substituída pela palavra entre colchetes, EXCETO em:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.