Atualizando histórico

Estamos atualizando seu histórico de questões resolvidas, por favor aguarde alguns instantes.

Menu
Cadastre-se ASSINAR

Questões de Concursos - Questões

ver filtro
filtros salvos
  • Você ainda não salvou nenhum filtro
    • Apenas que tenham
    • Excluir questões
    salvar
    salvar x
    limpar
    50 questões encontradas
    Ano: 2015
    Banca: VUNESP
    Órgão: Prefeitura de São José dos Campos - SP

    Leia a tira para responder a questão.



    (Disponível em http://www1.folha.uol.com.br. Acesso em 12.04.2014)

    Releia o seguinte trecho da primeira fala da tira:
    … peguei uma gripe… / … e não consegui comer...

    O segundo segmento frasal – … e não consegui comer…
    – expressa, em relação ao primeiro,

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    02
    Q518300
    Ano: 2015
    Banca: VUNESP
    Órgão: Prefeitura de São José dos Campos - SP

    Leia a tira para responder a questão.



    (Disponível em http://www1.folha.uol.com.br. Acesso em 12.04.2014)

    A expressão em destaque na fala do primeiro quadrinho – Lembra no inverno passado quando peguei uma gripe…
    – expressa circunstância de:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2015
    Banca: VUNESP
    Órgão: Prefeitura de São José dos Campos - SP
    Leia o texto para responder a questão.
                                       
                                          Ideologia e saúde

    A ideologia é um troço esquisito. Ela não se limita a turvar a visão das pessoas em relação aos assuntos de sempre, como papel do Estado, aborto, legalização das drogas, mas também está sempre em busca de novos temas sobre os quais possa lançar seus feitiços.
    Um caso bem documentado desse fenômeno é a atitude dos norte-americanos em relação ao aquecimento global.
    Mais ou menos até os anos 80, a proteção ambiental em geral e o efeito estufa em particular não constituíam questões ideológicas. A probabilidade de um político norte-americano defender uma plataforma ambientalista era muito baixa, fosse ele democrata ou republicano.
    Do final dos anos 90 para cá, porém, o panorama mudou bastante.
    Agora, assistimos praticamente ao vivo a um movimento semelhante em relação a um tema improvável: as vacinas.
    Os EUA vivem hoje um surto de sarampo que pode ser diretamente ligado à queda nas taxas de vacinação. E há dois tipos de pais que deixam deliberadamente de vacinar seus filhos.
    Pela direita, temos ultraconservadores religiosos que desconfiam de tudo o que venha de cientistas ou do governo e, pela esquerda, há, principalmente na Califórnia, bolsões de liberais desmiolados que acreditam sem base fática que a vacina tríplice viral está associada a casos de autismo.
    Em comum, ambos colocam suas convicções, que têm muito mais de emocional que de racional, à frente de sólidas evidências científicas. Pior, sua obstinação faz com que ponham em risco não só seus próprios filhos como também terceiros. Nunca foi tão verdadeira a máxima segundo a qual a ideologia faz mal à saúde.

    (Hélio Schwartsman. Folha de S.Paulo. 08.02.2015. Adaptado)

    Releia o seguinte trecho do penúltimo parágrafo do texto:
    … há, principalmente na Califórnia, bolsões de liberais desmiolados que acreditam sem base fática que a vacina tríplice viral está associada a casos de autismo.
    O termo em destaque no trecho foi utilizado pelo autor para enfatizar sua opinião de que associar a vacina tríplice viral a casos de autismo é uma postura:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2015
    Banca: VUNESP
    Órgão: Prefeitura de São José dos Campos - SP
    Leia o texto para responder a questão.
                                       
                                          Ideologia e saúde

    A ideologia é um troço esquisito. Ela não se limita a turvar a visão das pessoas em relação aos assuntos de sempre, como papel do Estado, aborto, legalização das drogas, mas também está sempre em busca de novos temas sobre os quais possa lançar seus feitiços.
    Um caso bem documentado desse fenômeno é a atitude dos norte-americanos em relação ao aquecimento global.
    Mais ou menos até os anos 80, a proteção ambiental em geral e o efeito estufa em particular não constituíam questões ideológicas. A probabilidade de um político norte-americano defender uma plataforma ambientalista era muito baixa, fosse ele democrata ou republicano.
    Do final dos anos 90 para cá, porém, o panorama mudou bastante.
    Agora, assistimos praticamente ao vivo a um movimento semelhante em relação a um tema improvável: as vacinas.
    Os EUA vivem hoje um surto de sarampo que pode ser diretamente ligado à queda nas taxas de vacinação. E há dois tipos de pais que deixam deliberadamente de vacinar seus filhos.
    Pela direita, temos ultraconservadores religiosos que desconfiam de tudo o que venha de cientistas ou do governo e, pela esquerda, há, principalmente na Califórnia, bolsões de liberais desmiolados que acreditam sem base fática que a vacina tríplice viral está associada a casos de autismo.
    Em comum, ambos colocam suas convicções, que têm muito mais de emocional que de racional, à frente de sólidas evidências científicas. Pior, sua obstinação faz com que ponham em risco não só seus próprios filhos como também terceiros. Nunca foi tão verdadeira a máxima segundo a qual a ideologia faz mal à saúde.

    (Hélio Schwartsman. Folha de S.Paulo. 08.02.2015. Adaptado)

    Segundo a opinião do autor expressa no primeiro parágrafo do texto, a ideologia está sempre em busca de novos temas sobre os quais possa:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2015
    Banca: VUNESP
    Órgão: Prefeitura de São José dos Campos - SP
    Leia o texto para responder a questão.
                                       
                                          Ideologia e saúde

    A ideologia é um troço esquisito. Ela não se limita a turvar a visão das pessoas em relação aos assuntos de sempre, como papel do Estado, aborto, legalização das drogas, mas também está sempre em busca de novos temas sobre os quais possa lançar seus feitiços.
    Um caso bem documentado desse fenômeno é a atitude dos norte-americanos em relação ao aquecimento global.
    Mais ou menos até os anos 80, a proteção ambiental em geral e o efeito estufa em particular não constituíam questões ideológicas. A probabilidade de um político norte-americano defender uma plataforma ambientalista era muito baixa, fosse ele democrata ou republicano.
    Do final dos anos 90 para cá, porém, o panorama mudou bastante.
    Agora, assistimos praticamente ao vivo a um movimento semelhante em relação a um tema improvável: as vacinas.
    Os EUA vivem hoje um surto de sarampo que pode ser diretamente ligado à queda nas taxas de vacinação. E há dois tipos de pais que deixam deliberadamente de vacinar seus filhos.
    Pela direita, temos ultraconservadores religiosos que desconfiam de tudo o que venha de cientistas ou do governo e, pela esquerda, há, principalmente na Califórnia, bolsões de liberais desmiolados que acreditam sem base fática que a vacina tríplice viral está associada a casos de autismo.
    Em comum, ambos colocam suas convicções, que têm muito mais de emocional que de racional, à frente de sólidas evidências científicas. Pior, sua obstinação faz com que ponham em risco não só seus próprios filhos como também terceiros. Nunca foi tão verdadeira a máxima segundo a qual a ideologia faz mal à saúde.

    (Hélio Schwartsman. Folha de S.Paulo. 08.02.2015. Adaptado)

    De acordo com o segundo parágrafo do texto, para os norte-americanos, mais ou menos até os anos 80, as questões ambientais em geral e particularmente o efeito estufa

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.