Atualizando histórico

Estamos atualizando seu histórico de questões resolvidas, por favor aguarde alguns instantes.

Menu
Cadastre-se ASSINAR

Questões de Concursos - Questões

ver filtro
filtros salvos
  • Você ainda não salvou nenhum filtro
    • Apenas que tenham
    • Excluir questões
    salvar
    salvar x
    limpar
    2 questões encontradas
    Ano: 2016
    Banca: FCM
    Órgão: IF Farroupilha - RS

    O totalitarismo difere de outras formas de opressão política como o despotismo, a tirania e a ditadura. De acordo com Hannah Arendt (2012), sempre que o totalitarismo chegou ao poder foram criadas instituições políticas inteiramente novas e destruídas todas as tradições sociais, legais e políticas de um país.

    Analise as afirmativas abaixo sobre as características do totalitarismo e marque (V) para verdadeiro ou (F) para falso:

    ( ) A destruição da esfera pública, isto é, destruir através do isolamento das pessoas de suas capacidades políticas.

    ( ) Os habitantes de um país totalitário são enquadrados bilateralmente: ou são carrascos ou são vítimas da sua lei inseparável. O que o sistema totalitário precisa para guiar a conduta dos seus súditos é um preparo para que cada um se ajuste, igualmente, bem ao papel de carrasco e ao papel de vítima.

    ( ) O reforço da esfera privada, promovendo a solidão e fazendo surgir o sentimento de pertencimento ao mundo.

    ( ) O totalitarismo é uma forma de governo cuja essência baseia-se no terror e cujo princípio de ação é a lógica do pensamento ideológico.

    ( ) A introdução de um princípio inteiramente novo no terreno das “coisas-públicas” que dispensa, inteiramente, o desejo humano de agir.

    A sequência correta é

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    02
    Q634300
    Ano: 2013
    Banca: IADES
    Órgão: SUDAM
    Prova: Estatístico

               Revolução e Contra –Revolução no Egito

          Inspirados no "sucesso" dos protestos na Tunísia, os egípcios foram às ruas, em meados de 2011, para protestar contra o presidente, que estava no poder há mais de 30 anos. Enfraquecido, ele renunciou dezoito dias depois do início das manifestações populares. Mais tarde, em meados de junho/julho de 2013, Adly Mansour foi empossado como presidente interino do país, substituindo um representante eleito da irmandade mulçumana, que foi deposto pelos militares.

    Os dois últimos presidentes egípcios foram, respectivamente, 

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.