Atualizando histórico

Estamos atualizando seu histórico de questões resolvidas, por favor aguarde alguns instantes.

Menu
Cadastre-se ASSINAR

Questões de Concursos - Questões

ver filtro
filtros salvos
  • Você ainda não salvou nenhum filtro
    • Apenas que tenham
    • Excluir questões
    salvar
    salvar x
    limpar
    6.132 questões encontradas
    Ano: 2018
    Banca: FUNRIO
    Órgão: CGE-RO

    TEXTO


    Entrevista de Carlos Heitor Cony


    “Hoje, se os Mamonas Assassinas [banda de pop-rock que estourou em 1995, morta em um acidente de avião 1 ano depois] escreverem um livro sobre a teoria do quanta, não vai faltar editor e não vai faltar leitor. (...) A indústria do livro era muito elitista naquela época, havia um certo elitismo. O livro era considerado um objeto, quase um totem, uma coisa sagrada. Acho o fenômeno do Paulo Coelho muito útil. É um homem que vende milhões de exemplares, faz o editor ganhar dinheiro, e esse editor pode investir em outras coisas.” (Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura).

    A fala de Carlos Heitor Cony começa com “Hoje, se os Mamonas Assassinas...”; nesse segmento o vocábulo “Hoje”:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2018
    Banca: FUNRIO
    Órgão: CGE-RO

    TEXTO


    Entrevista de Carlos Heitor Cony


    “Hoje, se os Mamonas Assassinas [banda de pop-rock que estourou em 1995, morta em um acidente de avião 1 ano depois] escreverem um livro sobre a teoria do quanta, não vai faltar editor e não vai faltar leitor. (...) A indústria do livro era muito elitista naquela época, havia um certo elitismo. O livro era considerado um objeto, quase um totem, uma coisa sagrada. Acho o fenômeno do Paulo Coelho muito útil. É um homem que vende milhões de exemplares, faz o editor ganhar dinheiro, e esse editor pode investir em outras coisas.” (Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura).

    O nome de “Mamonas Assassinas” dado à banda de pop-rock mostra um traço de modernidade, que é:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2018
    Banca: FUNRIO
    Órgão: CGE-RO

    TEXTO


    Entrevista de Carlos Heitor Cony


    “Hoje, se os Mamonas Assassinas [banda de pop-rock que estourou em 1995, morta em um acidente de avião 1 ano depois] escreverem um livro sobre a teoria do quanta, não vai faltar editor e não vai faltar leitor. (...) A indústria do livro era muito elitista naquela época, havia um certo elitismo. O livro era considerado um objeto, quase um totem, uma coisa sagrada. Acho o fenômeno do Paulo Coelho muito útil. É um homem que vende milhões de exemplares, faz o editor ganhar dinheiro, e esse editor pode investir em outras coisas.” (Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura).

    O trecho entre colchetes, no primeiro parágrafo do texto, tem a finalidade de:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2018
    Banca: FUNRIO
    Órgão: CGE-RO

    TEXTO


    Entrevista de Carlos Heitor Cony


    “Hoje, se os Mamonas Assassinas [banda de pop-rock que estourou em 1995, morta em um acidente de avião 1 ano depois] escreverem um livro sobre a teoria do quanta, não vai faltar editor e não vai faltar leitor. (...) A indústria do livro era muito elitista naquela época, havia um certo elitismo. O livro era considerado um objeto, quase um totem, uma coisa sagrada. Acho o fenômeno do Paulo Coelho muito útil. É um homem que vende milhões de exemplares, faz o editor ganhar dinheiro, e esse editor pode investir em outras coisas.” (Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura).

    O trecho da entrevista de Carlos Heitor Cony que exemplifica linguagem coloquial é:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.

    Ano: 2018
    Banca: FUNRIO
    Órgão: CGE-RO

    TEXTO


    Entrevista de Carlos Heitor Cony


    “Hoje, se os Mamonas Assassinas [banda de pop-rock que estourou em 1995, morta em um acidente de avião 1 ano depois] escreverem um livro sobre a teoria do quanta, não vai faltar editor e não vai faltar leitor. (...) A indústria do livro era muito elitista naquela época, havia um certo elitismo. O livro era considerado um objeto, quase um totem, uma coisa sagrada. Acho o fenômeno do Paulo Coelho muito útil. É um homem que vende milhões de exemplares, faz o editor ganhar dinheiro, e esse editor pode investir em outras coisas.” (Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura).

    “...morta em um acidente de avião um ano depois”; a frase abaixo em que o vocábulo acidente deveria ser substituído por incidente é:

    Você configurou para não ver comentários antes de resolver uma questão.